Ducati Multistrada 950: O canto do cisne?

Quando Pierre Terblanche desenhou a Multistrada 1000 S lançada pela Ducati, em 2003, o designer de motos sul-africano inspirou-se numa outra criação sua, a Cagiva Gran Canyon. Na altura, em conjunto com mais um ou dois modelos de outras marcas, seriam o que hoje se chama adventure tourers – motos altas que permitem incursões fora de estrada, com motores fiáveis e confortáveis em trajetos longos. Com uma estética bastante peculiar, não teve uma aceitação notável no mercado, tendo ficado para a história como uma espécie de “patinho feio”. No entanto, tudo mudou, em 2010, quando a marca apresentou uma moto inteiramente nova, a Multistrada 1200. A concorrência não tinha ficado a dormir, mas com este novo modelo a Ducati passou a ter um argumento de peso no segmento das adventure tourers.

Sete anos depois temos a Multistrada 950 e os mais distraídos poderão achar que se trata da 1200. Na verdade, no que diz respeito ao designa semelhança é evidente, transmitindo uma sensação de continuidade. Mas olhando com mais atenção notam-se as diferenças. A mais óbvia trata-se, claro, do motor, um Testatretta com 937cc que também equipa o modelo Hypermotard e produz 113cv de potência máxima. O monobraço oscilante é trocado por um convencional e para facilitar incursões ligeiras fora de estrada, existe na frente uma jante de 19 polegadas, tal como a versão enduro da irmã mais velha 1200. A embraiagem hidráulica, comum ao resto da gama, dá lugar a uma de acionamento mecânicoe os faróis são de halogéneo, em vez de leds.

Fatores determinantes para que a marca defina a 950 como o modelo de entrada na gama Multistrada. Não sentimos isso, pois o design é extremamente bem conseguido (tal como já acontecia com a 1200), e em andamento destaca-se o conforto, proporcionado pelas suspensões totalmente ajustáveis, com quatro modos de motor que permitem uma utilização em qualquer situação.

O modo Urbanlimita a potência para 75cv e facilita a condução em cidade. Já o modo Enduro desliga o ABS na roda traseira para auxiliar nas saídas fora de estrada. Os modos Touring e Sport “libertam” os 113cv, diferindo entre eles na resposta de acelerador. É nestes dois modos que ouvir o belíssimo som que sai do refinado escape de origem se pode tornar viciante. Arriscamos mesmo dizer que sendo de origemnão sentimos falta do opcional Termignoni para nos “embalar”. Tudo isto sempre com a certeza que o ABS que actua em curva está lá para nos manter seguros.

O que há 14 anos começou por ser um “patinho feio”, sem grande aceitação no mercado, é hoje considerada uma referência sempre que alguém procura uma tourer polivalente. O “patinho feio” transformou-se num cisne, agora reforçado com esta nova Multistrada 950.

Mais: Estética, comportamento geral, escape.

Menos: A falta de um quickshift de origem.

Preço:
Vermelha: €13.499
Branca: €13.699

Ficha Técnica:
Motor: Testatretta com 2 cilindros em L a quatro tempos com 937cc
Potência: 113cv
Caixa de 6 velocidades
Suspensão frente:Forquilha invertida Kayaba de 48mm totalmente ajustável – curso 170mm
Suspensão trás: Mono-amortecedorSachs, totalmente ajustável – curso 170 mm
Travão dianteiro: 2 discos 320mm, pinças Brembo M4.32 radiais de 4 êmbolos, ABS –Bosch
Travão traseiro: Disco 265mm, pinça de 2 êmbolos – ABS – Bosch
Peso: 227kg

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.