Ordens de equipa na Ferrari ‘marcaram’ Felipe Massa

As ordens de equipa dirigidas a Felipe Massa durante o GP da Alemanha de 2010 foram um ponto de mudança na carreira do piloto. Quem o diz é Rob Smedley, antigo engenheiro de corrida do piloto brasileiro, que depois da experiência com Massa na Ferrari mudou-se igualmente para a Williams.

Nessa corrida, Smedley comunicou ao seu piloto via rádio a mensagem “o Fernando é mais rápido do que tu”, sugerindo que o paulista deixasse passar o então colega de equipa. Tudo num momento em que as ordens de equipa estavam banidas pela FIA. Após alguma resistência, Massa deixou eventualmente Alonso passar para a sua frente, com o espanhol a vencer a corrida à frente do brasileiro, algo que o deixou magoado.

“Penso que ele viu as coisas de outra forma a partir desse momento. Foi um momento difícil porque foi uma espécie de ponto de viragem, e de esclarecimento sobre em quem se encontrava o foco da equipa”, disse Rob Smedley. “Não estou a dizer que o enfoque no Fernando era correto ou incorreto. Não vou comentar esse assunto. E penso que o Fernando é um grande piloto. Já o disse muitas vezes. Portanto até se poderia discutir se essa não era a abordagem correta. No entanto, penso que quando o Felipe percebeu o que se passava, foi difícil para ele abstrair-se disso”.

Muito confuso

O engenheiro britânico revelou depois que não concordou com a situação e que isso lhe trouxe problemas no seio da equipa, depois de pedir desculpa ao brasileiro quando Massa cumpriu o que lhe foi pedido.

“Não concordei com a decisão e penso que não era a mais acertada. Talvez isso seja claro na minha mensagem via rádio, que não concordava com ela. Passei um mau bocado na Ferrari depois disso. Penso que havia melhores maneiras de o fazer. A diferença entre ambos não era assim tão grande. Houve momentos da corrida em que o Felipe era mais rápido e outros em que o Fernando estava na frente”, explicou.

“Tínhamos uma estratégia acordada e sabíamos como tudo se iria desenrolar. No final, as coisas não correram dessa forma, e penso que o Felipe achou tudo muito confuso durante a corrida. Ele está a disputar a corrida, a liderá-la. Estavam a ganhar margem ao Vettel. E às tantas ele deve ter questionado o motivo para lhe terem pedido isto. Era o GP da Alemanha [a meio da temporada], não a última corrida do ano”.

Smedley confessou ainda que lhe foi difícil aceitar a mudança de abordagem da Ferrari ao não permitir que Massa festejasse a vitória.

“Penso que no final tanto eu como ele fizemos o que era correto. Quase parece que não era alguém que pensasse na equipa. Joguei esse jogo de forma constante na Ferrari. E estava satisfeito por fazê-lo. Penso que todos estão contentes por fazer parte de qualquer jogo quando as regras são claras.  Mas quando elas mudam a meio do ano e não foste informado sobre essa alteração, aí tudo se torna mais difícil”, concluiu.

André Bettencourt Rodrigues / Autosport