Energias renováveis poderão motivar compra de carros elétricos

A razão porque o número de carros elétricos na estrada não está a aumentar tão depressa como o esperado poderá ter a ver com a fonte da energia elétrica. Consciência ecológica, mais do que considerações práticas, poderão estar a motivar a primeira geração de compradores de automóveis movidos a eletricidade, de acordo com um estudo feito pela Universidade de Queensland, na Austrália.

O estudo entrevistou 40 clientes de carros elétricos e outras 167 pessoas, que participaram num teste ao volante de um carro elétrico na Alemanha. Os inquiridos revelaram uma maior preocupação com a origem da energia para poderem justificar a compra de um automóvel destes. Por exemplo, um carro a gasolina pode produzir 119 g/km de dióxido de carbono, mas a produção da energia elétrica corresponder a 139 g/km desde a origem de uma central termoelétrica.

Faz algum sentido que os primeiros a adotar carros elétricos o façam por consciência ecológica, já que, numa primeira fase, estes veículos são mais caros e o uso de energia elétrica não é tão prática, tanto em termos de autonomia como de pontos de reabastecimento. No entanto, para convencer os primeiros clientes, todo o processo necessita de produção energética necessita de ser o mais ecológico possível, com uma redução rápida da emissão de gases poluentes.

Desta forma, para convencer o público a aderir mais depressa aos automóveis movidos a eletricidade, os países industrializados terão que acelerar a expansão da produção de energia elétrica de fontes renováveis, seja hidroelétrica ou solar.