Mina de carvão dá lugar a oceano de painéis solares

As autoridades chinesas estão a apostar fortemente nas energias alternativas para poderem acabar com o uso do carvão como fonte energética e reduzir os tóxicos níveis de poluição encontrados nas grandes metrópoles. Pelo caminho, há tempo para ironias poéticas. Neste caso, painéis solares foram construídos sobre uma mina de carvão.

Huainan cresceu como cidade industrial como produtora de carvão, ajudando a revolução industrial chinesa nas últimas décadas do Século XX. Mas, à medida que a extração mineira perdeu importância, as alterações topográficas causadas pela mineração deram origem a um largo que tem entre quatro e dez metros de profundidade. E o governo local aproveitou a oportunidade para criar uma quinta solar, com produção total de 40 MW, a maior do mundo.

Os painéis e os sistemas de conversão são fornecidos pela Sungrow, que encontrou aqui uma boa alternativa para tornar o sistema mais eficiente e mais fiável. Como os painéis estão a flutual num lago, a água arrefece o ar circundante, reduzindo o risco de sobreaquecimento, que costuma afetar os painéis solares.