Presidente da Shell vai comprar carro elétrico

Não há volta a dar, os automóveis elétricos estão para ficar e os motores de combustão destinados a desaparecer. E até os responsáveis pelos destinos das grandes empresas petrolíferas sabem isto. Tanto que o presidente da Shell, Ron van Beurden, já admitiu que o seu próximo carro vai funcionar a eletricidade. Van Beurden já encomendou um Mercedes Classe S híbrido plug-in, capaz de fazer pequenos percursos só com energia elétrica, e a sua nº 2, Jessica Uhl, já tem um BMW i3.

Ron van Beurden admitiu numa entrevista ao canal televisivo Bloomberg que “a eletrificação do automóvel é algo bom. Precisamos de uma penetração maior de carros elétricos no mercado se queremos manter o aumento de temperatura num máximo de dois graus”, e que a Shell vai ter que se adaptar a um futuro em que o preço de petróleo vai ser sempre baixo.

Atualmente, cerca de 80 por cento de toda a extração petrolífera é utilizada para produção de combustíveis. Com automóveis elétricos a substituírem carros a gasolina e fontes renováveis de energia a substituírem centrais termoelétricas, produtos de origem petrolífera usados noutras áreas poderão ficar muito mais baratos, incluindo asfalto, plásticos e petroquímicos. Há até possibilidade de maior interação nestas áreas.