Uma carrinha Megane que está aí para as curvas

Rui Pelejão
Rui Pelejão
Editor-Executivo

As carrinhas começam a perder espaço para os SUV, os carros da moda em Portugal. Qualquer teste a um SUV competente lhe vai dizer que “curva quase como um turismo”. Ora, o diabo está no quase, nenhum SUV curva como esta carrinha Grande Turismo da Renault.

Há um título que é uma das bengalas mais velhas para jornalistas de automóveis, incluindo os mais novos, que por mais moderninhos que sejam não hesitam a recorrer a essa velharia sem graça. O título é: “Para famílias apressadas”, ou na versão mais machista “Para pais apressados”, como se as mulheres não gostassem de andar depressinha e só olhassem para o tamanho da bagageira.

Eu cá orgulho-me de nunca ter usado essa expressão corriqueira para definir carros familiares com mais genica, e não era agora que ia começar. Mas quem gosta de clichés pode bem usá-lo nesta carrinha Renault Megane Sport Tourer GT 165, a versão Diesel mais desportiva da carrinha da gama Megane.

As carrinhas foram uma febre nacional durante alguns anos. Mais por uma questão de afirmação do que pela funcionalidade, já que projetavam um certo estilo de vida. Os automóveis são também uma espécie de alter-ego dos seus condutores. Agora as carrinhas são relativamente desprezadas, porque os clientes só têm olhos para os SUV (Sport Utility Vehicles). Mais por aquilo que este tipo de carros projetam do que propriamente por questões de ordem prática. Liberdade, evasão, nomadismo em quatro rodas para sedentários angustiados, posição de condução tipo torre de vigia e acima de tudo, estilo, fazem dos SUV príncipes encantados e das carrinhas uma espécie de patinhos feios.

Mas, por mais que se esforcem e por mais eficazes que sejam, há uma coisa em que os SUV ainda não podem competir com uma certa estirpe de carrinhas, como esta Renault Megane Sport Tourer GT. Chama-se prazer de condução, que é aquela coisa intangível, difícil de definir, mas que se intui assim que se entra numa estrada de serra, como a de Aire e Candeeiros.

Agilidade, segurança, rapidez em curva, e sensações, sim isso, aquilo que se sente quando se guia um carro que obedece à nossa vontade e às ordens de volante. Esta carrinha Megane corporiza esse espírito GT que inscreve na sigla, uma Grand Tourer, confortável para grandes viagens e divertida de conduzir em estradas sinuosas.

Grande Turismo

O Megane continua a ser um bestseller da Renault e um dos carros preferido dos portugueses. A versão carrinha acrescenta mais espaço para os passageiros do banco de trás e uma bagageira com 521 litros de capacidade (mais 137 litros que a berlina Megane). A sigla GT acompanha o topo de gama Diesel da gama e inclui uma grelha dianteira específica, jantes de 18 polegadas e assinaturas GT, Renault Sport e 4Control em diferentes pontos da carroçaria. Este pacote estético, compartilhado com a versão GT a gasolina de 205 Cv, empresta-lhe um ar mais desportivo, que se prolonga no interior, graças ao volante desportivo em couro, aos bancos estilo bacquet revestidos em couro, e os pedais de alumínio e aplicações cromadas.

Vem aconchegado no banco de bom apoio lombar, parto à descoberta das capacidades dinâmicas da Megane Sport Tourer GT numa estrada de serra. A primeira nota é para o fôlego do motor 4 cilindros Diesel de 165 Cv  que está conjugado com uma caixa automática de seis velocidades.  Esta carrinha alcança prestações interessantes, patentes nos 214 km/h de velocidade máxima e nos 8,9 segundos necessários para acelerar dos 0 aos 100 km/h.

As passagens de caixa podem ser feitas nas patilhas acopladas ao volante. Posso optar pelo modo manual, ou deixar a eletrónica escolher a melhor afinação nos modos Neutral, Comfort, Sport ou Personalizado, que me permite alterar os parâmetros da condução. O modo de condução escolhido é refletido na mudança de cores dos manómetros digitais. Fica vermelho em modo Sport, que é o meu preferido. O que mais impressiona nesta carrinha com dedinho da Renault Sport é a sua agilidade e eficácia em curva. A motricidade é excelente e a velocidade de passagem em curva deixaria qualquer SUV da gama média boquiaberto.

Um dos segredos da grande eficácia dinâmica desta carrinha é a suspensão, suficientemente versátil para oferecer conforto em auto-estrada e precisão em estrada secundária, e também o sistema 4Control, que permite que as quatro rodas sejam direcionais e apontem para o ângulo de saída de curva que desejarmos.

Mesmo com um andamento mais apimentado, sentimo-nos sempre seguros e no controlo da situação. Mesmo quando exageramos na dose, os anjos da guarda eletrónicos zelam por nós. Destaque para o sistema de travagem ativo de emergência e de distância de segurança, que estão incluídos num completo pacote de equipamento que se estende, naturalmente, aos sistemas de infoetretenimeno e de conectividade a bordo.

Em resumo, pode não ter o apelo trendy ou o espaço a bordo dos moderno SUV, mas para quem gosta de conduzir numa bela estrada de montanha, não há SUV que lhe chegue aos calcanhares. O preço (36 mil euros), esse não é propriamente dos mais convidativos, mas enfim, o prazer de condução tem sempre um preço a pagar.

Ficha técnica

Renault Megane Sport Tourer GT dCi 165

Motor 4 cil. Em linha, diesel, injeção direta, turbo de geometria variável 1598 cc
Potência
165 cv/4000 rpm
Binário
380 Nm/1750 rpm
Transmissão
dianteira, caixa auto de 6 vel.
Suspensão
tipo McPherson com molas helicoidais à frente e eixo de torção com molas helicoidais atrás
Peso
1591 kg
Mala
521l
Depósito
47l
Vel. Máx.
214 km/h
Aceleração 0 aos 100 km/h
8,9s
Consumo médio
4,7 l/100 km
Emissões CO2 124 g/km

PREÇO 36 300 euros

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.