O diabo veste 595 Abarth Competizione

Patrícia Pereira
Patrícia Pereira
Editora Social Media

No ano em que o icónico FIAT 500 comemora 60 anos, testar a versão mais extrema e radical é uma espécie de homenagem à história da marca italiana. Não foi amor à primeira vista. Mas, como em tudo na vida, é sensata a atitude de não julgar os livros pela capa, ou os carros pelo porte ou cor. O novo 595 Abarth Competizione tem o poder sonoro da persuasão rápida e eficaz e para isto em muito contribuem as quatro saídas de escape que transformam este escorpião amarelo num animal feroz. Enquanto o tive nas mãos fui a maior lá do bairro.

É verdade que o novo modelo Abarth obedece a todas as exigências da condução urbana. É ágil, leve, e as pequenas dimensões facilitam as tarefas do dia-a-dia. Já o motor 1.4 Turbo de 180 CV desta versão Competizione, implora pé pesado no acelerador. Mas como todo o prazer tem a sua culpa, a deste diabo é no momento de reabastecer o depósito, o que pode acontecer com frequência se o pé nos pesar regularmente.

As emoções de uma experiência plena ao volante deste diabo da tasmânia são muitas e pedem condução destemida e pouco “católica”. O design exterior até pode puxar comparações ao FIAT 500, mas basta um minuto para se perceber que se fossem gémeos eram falsos e o 595 Abarth Competizione seria o irmão com mais carisma, o rebelde da família. Da gama Abarth, este é o mais radical da marca italiana e vem oferecer o carácter puro de um desportivo de corpo inteiro.

Impossível passar despercebido

Grelha aberta com entradas de ar, jantes de 17 polegadas preto mate e discos perfurados coroados com o excêntrico amarelo que dá cor aos estribos dos travões. Barra preta nas laterais da carroçaria a exibir a marca em destaque e o símbolo inconfundível do escorpião são elementos que tornam impossível a esta fera não dar nas vistas.

Estacionado, era vê-lo ser admirado pelos benfiquistas do café da esquina que elogiavam os bancos em pele estilo bacquets,(com a assinatura Sabelt) e o volante desportivo em alcantara com detalhes em fibra de carbono. Ao passar, foi fazer virar pescoços ao ritmo do cantar do escape. Por isso, afianço, esta máquina não é para low profiles ou gente discreta. Durante um par de dias senti os olhares desconfiados da vizinhança… como se questionassem a minha capacidade de explorar a potência do bicho. Ou então foi só um argumento que inventei para arrancar rua acima sempre com alarido máximo e sorriso na cara. A vendetta serve-se sempre fria.

Divertido e desconfortável q.b.

Não é a quinta essência do conforto, nem do espaço a bordo. Querer estar na pele da Michèle Mouton tem um preço a pagar e é para esquecer a ideia de levar a malta amiga em passeios longos.

Os bancos têm bom apoio lateral, mas são um pouco duros demais e nos bancos traseiros então… A não ser que a ideia seja provocar arrepios e nervoso miudinho aos nossos infelizes passageiros numa qualquer estrada de serra. Nesse caso sim, este é o veículo para diversão garantida. Até porque com o sistema de som a debitar 480 Watts de decibéis, torna-se irresistível fazer a festa ao som de um, digamos, Killing in the name of dos Rage Against the Machine… é só uma sugestão que, admito, não ajudará ao movimento gentil dos pés nos pedais que estão bem localizados. O sistema de infoentretenimento Uconnect oferece um ecrã tactil de 5 polegadas de série, sendo possível o upgrade para as 7” e acompanha as tendências, ou as exigências, com gráficos 3D para o sistema de navegação e compatibilidade com smarthpones Google Android e Apple CarPlay.

Ágil e rápido

Herança do 695 Biposto, o diferencial autoblocante mecânico garante o prazer máximo na experiência de condução do 595 Competizione. A transferência de binário entre rodas dianteiras, caso uma delas se exponha a uma menor aderência, é a adequada e permite assim maior precisão na hora de fechar a trajectória, o que eleva a sensação de condução desportiva e aumenta a segurança em curva. E, é nas curvas que este endiabrado diabo se sente no seu inferno, com diabólica agilidade e capacidade de curvar depressa e bem. Este Abarth pode ser apenas um brinquedo, mas eu sempre gostei de brincar com carrinhos e este é bom para uma one night stand.

Ficha Técnica

Motor: 4 Cil. Linha, Gasolina, Injeção direta, Turbo, Intercooler, 1368 cm3, Potência: 179 cv /5500 rpm; Binário 250 Nm/3000 rpm; Transmissão Dianteira; Cx. Manual, 5 velocidades, Suspensão Dianteira Tipo McPherson, Eixo de torção atrás; Travões: DV/D; Relação peso/potência, 5,9 kg/cv; Velocidade máxima 225 km/h; Aceleração 0-100 km/h 6,7s; Consumo médio 6,0 l/100 km; Emissões de CO2 139 gr/km; Peso: 1145 kg; Depósito: 35 litros; Mala: 185 litros

Preço 29.500€

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.