Ensaio Opel Mokka X 1.6 CDTI: Injustiçado

Confortável, dinâmico, com posicionamento superior e preço acessível. Atributos não faltam ao Mokka X, que é um sucesso por toda a Europa. Então porque não o vemos em Portugal? Porque paga classe 2 nas portagens!

Condicionar o sucesso comercial de um SUV com base num sistema de classificação de classes de portagens desenquadrado da realidade não faz sentido. Também não faz sentido descartar um automóvel com base no valor das portagens a pagar nas viagens de férias…

Como a compra de automóveis está longe de ser um processo racional, o Opel Mokka tem passado relativamente despercebido ao mercado nacional. Uma injustiça! Bloqueios legais ou psicológicos à parte, o SUV subcompacto da Opel, agora premiado com um X, Mokka X, é um dos mais competentes do segmento.

Carroçaria

Com 4,28 metros de comprimento posiciona-se a meio caminho entre o Renault Captur e o Nissan Qashqai, acabando os 28 070€ por o encostar aos modelos de maiores dimensões. Um posicionamento ousado, para quem sendo mais pequeno paga classe 2 nas portagens, mas plenamente justificado pela qualidade do interior. Fiel ao modelo lançado em 2012, o Mokka X aposta numa apresentação sóbria, digna do segmento superior, agora subordinada à imagem do Astra.

Por fora brilham as indispensáveis óticas LED, chamando a atenção para o novo e mais agressivo desenho dos extremos da carroçaria.

Interior

Para além do volante, pouco mais sobreviveu ao restyling. Na ressaca da febre dos botões que afetou os desenhadores de Russelheim na última década, a Opel parece ter adotado a política do menos é mais. Menos comandos, mais ergonomia. Desenvolvidos em torno do ecrã de 7’’ conhecido do Astra, a consola central e o tablier destacam-se pela fluidez das linhas. Igualmente redesenhado, o painel de instrumentos apresenta-se mais limpo e com melhor leitura.

Longe da vista, a plataforma Gamma II da GM mantém o eixo traseiro de torção, quando a maioria dos concorrentes já utiliza soluções multibraço. Perde-se algum conforto, principalmente para quem viaja atrás, e controlo da carroçaria sobre piso degradado.

Ao volante

Perdas de contacto com o solo agravadas pelo acerto firme dos amortecedores, necessário para controlar uma carroçaria elevada assente sobre uma plataforma estreita. Perfeita para cidade, a leveza da direção torna o Mokka X demasiado nervoso em autoestrada.

Generoso na entrega dos 320 Nm de binário, o motor 1.6 de 136 CV surge associado a uma caixa manual de seis velocidades. Ao toque mecânico e preciso, a caixa junta o escalonamento rápido das primeiras quatro relações para agilizar a condução em cidade. No extremo oposto, a quinta e a sexta são tão longas que impossibilitam recuperações de velocidade em tempo útil. Por outro lado, cumprem o objetivo de controlar os consumos, mantendo a média ponderada nos 6,3 l/100 km, dois litros acima do valor oficial.

VEREDICTO

Funcional e mais espaçoso do que parece, o Mokka X tem o tamanho perfeito para não se perder nas ruas mais apertadas da cidade. Disponível com tração dianteira ou integral e motor 1.6 CDTI de 136 CV, é um SUV a ter em conta por quem procura uma alternativa ao automóvel.

TEXTO: RICARDO MACHADO / FOTOGRAFIA: JOSÉ BISPO

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.