Cumprida cerca de metade da reta da meta do Autódromo do Algarve, os olhos desviam-se para o velocímetro digital, revelando uma verdade avassaladora: o número aumenta de forma impressionante. Aos 241 km/h, o olhar é remetido, de novo, à pista, onde os metros desaparecem como que por artes mágicas de David Copperfield. Nada que não se adivinhasse a partir da sonoridade rouca proveniente do motor V8 bi-turbo, uma ‘peça’ com que é verdadeiramente difícil errar em termos de prestações e de… acústica.

Com 612 cv de potência, o Mercedes-AMG E63 S 4Matic+ revela um poder de cortar a respiração, mas não só pelo motor. Todo o conjunto vibra e fervilha de adrenalina. E também impõe respeito, em especial para quem tem no circuito que foi ‘estrela’ no programa ‘The Grand Tour’, de Jeremy Clarkson e companhia, o seu primeiro contacto com o novo E63 S.

Na descida para a primeira curva do circuito, há um momento definidor, à medida que o pedal do travão é pressionado com força – a traseira sente-se leve, ‘dança’ ligeiramente e tudo acontece como se houvesse uma ação quase sobrenatural que consegue ‘colar’ aquela máquina alemã ao asfalto. O Classe E mais potente de sempre sente-se composto e controlado enquanto se dirige rumo ao ponto de corda da primeira curva, deixando-a para trás com facilidade desconcertante, logo rumo à segunda, uma direita aberta que se encadeia com a curva 3, outra direita, mas em gancho. Lá à frente, o Mercedes-AMG GT S que serve de safety car e de guia para as trajetórias impõe o ritmo – elevado – com Bernd Schneider ao volante. Para fins meramente informativos, trata-se de um dos maiores pilotos de sempre do Campeonato Alemão de Turismos, vulgo DTM, agora dedicado, em grande parte, a fazer estas ações de condução com a Mercedes-Benz e AMG. Volte-se à condução ‘desmesurada’ em pista.

A aceleração dos 0 aos 100 km/h faz-se em 3,4 segundos e a velocidade máxima está limitada aos 250 km/h (ampliada para os 300 km/h caso se adquira o pack Driver AMG).

Regresso à infância

No fundo, a experiência de condução deste novo AMG é mesmo marcada pela facilidade em chegar perto dos limites, levando-nos a soltar embaraçantes risadas infantis após cada deriva de traseira que conseguimos ‘agarrar’. Mas, vamos sozinhos no carro e ninguém precisa de saber disso… Da mesma forma que ao darmos ordem de ignição – com o motor a despertar como um trovão – surge, também, uma estranha sensação de respeito, como que um general a gritar a sua ordem para o mero recruta, intimando-o a não o irritar.

Com base no Classe E, o E63 S 4Matic+ é uma berlina com um equilíbrio assinalável, em que a distribuição de pesos surge aprimorada (mesmo que se note alguma inércia causada pelo peso em curvas mais lentas e em apoio), com a compostura do chassis a marcar pontos: a direção é direta e informativa e o volante, com revestimento em Alcantara, tem pega irrepreensível. De resto, o interior é em grande parte o mesmo do Classe E que lhe serve de base. Ou seja, qualidade assegurada, com alguns retoques de desportividade em elementos como o volante, consola central (com carbono) ou nos envolventes bancos com regulação elétrica. Pequenos luxos que não podem ser colocados de parte e, outros, não tão relevantes, como a iluminação interior em 64 cores…

A configuração de duplo ecrã (12.3” cada) para o painel de instrumentos volta a marcar presença, com diferentes possibilidades de visualização de informação por parte do condutor, sendo um opcional de relevo (com modo desportivo específico desta versão). No túnel central, surgem, também os botões que despertam a natureza AMG (o modo ‘Race’ é o mais exigente), dentre eles um botão que torna a sonoridade dos escapes ainda mais grave. Porque em estradas de montanha há que tornar a presença do E63 audível à distância. Nota, ainda, para a presença do Dynamic Select, com modos distintos de atuação, cada qual com influência em diversos parâmetros do veículo: ‘Comfort’, ‘Sport’, ‘Sport Plus’, ‘Individual’ e, cereja no topo do bolo, o modo ‘Race’, utilizável para pista e que oferece, até, um modo drift (apenas com caixa em modo manual/sequencial).

Tecnologia ao nosso serviço

Jan Byrla, principal responsável pelo desenvolvimento do novo E63, sorri quando trocamos impressões de condução relativas ao novo desportivo da marca alemã, percebendo-se que é adepto do lado tradicional da condução e da diversão ao volante – chama-lhe um dos “pilares” da marca. A certa altura, pergunta o que mudaríamos naquela que é a sua criação. Uma pergunta com ‘rasteira’, mas que, em boa verdade, é de difícil resposta, uma vez que tem um lado desportivo bem trabalhado em consonância com o mesmo lado tecnológico e eficiente do Classe E comum. Só que eficiência aqui não é só de poupança, mas também de prestações.

Em última instância, caracteriza-se pela maneira confiante com que permite a abordagem às curvas, segurando-se de forma impressionante ao longo da mesma e contando com o impulsivo motor V8 biturbo para se impelir rumo ao horizonte. As retas passam com rapidez alarmante e, em circuito, a melhor receita é não prestar muita atenção ao velocímetro, mas sim ao asfalto, até porque, perto do limite, o E63 S exige concentração total – que é fundamental. Falta referir que uma boa parte da capacidade que este Mercedes-AMG tem para sobressair em curva se deve ao sistema de tração integral 4Matic otimizado, com vetorização do binário, assegurando que as rodas conseguem ter sempre o máximo de motricidade em curva. O sistema ESP com três estágios de funcionamento também se conjuga para uma dinâmica diferenciada consoante cada modo, funcionando em consonância com o diferencial autoblocante traseiro e com o sistema de tração integral para manter a trajetória correta.

A caixa de velocidades SpeedShift MCT de nove velocidades é igualmente competente e interpreta bem cada momento da condução, mesmo que a passagem de relações feita por modo sequencial (botão ‘M’ na consola central e patilhas atrás do volante) tenha outro encanto.

No momento de reduzir drasticamente a velocidade, o sistema de travagem (390 x 36 mm à frente e 360 x 24 mm atrás), demonstra tenacidade e capacidade para manter a situação sob controlo, mesmo que seja preferível optar pelos discos de composição carbo-cerâmica ( 402 x 39 mm à frente e 360 x 32 mm atrás), um opcional que, num modelo deste gabarito, é muito apropriado e mais resistente à fadiga.

Desportivo, mas também familiar

Ao fim e ao cabo, são 612 cv de potência e 850 Nm de binário, cifras que fazem deste Classe E um exemplar de respeito cuja condução máxima poderá não ser totalmente aproveitada no dia-a-dia, mas que não se descarta a emoções fortes em percursos sinuosos do quotidiano, com uma noção de segurança e de equilíbrio que lhe é intrínseca.

Em toadas tranquilas chega a ser dócil, escondendo bem o seu carácter fogoso. A suspensão pneumática Air Body Control oferece boas doses de conforto, não chocalhando os ocupantes em pisos muito degradados, pelo que o seu lado familiar está ainda presente. Comprova-se, assim, um equilíbrio temperado entre o seu lado desportivo e o familiar, o que até é bem comprovado pela bagageira ampla e pelo espaço generoso nos lugares traseiros. Pode-se, também, falar em consumos médios, com um valor anunciado de 8,8 l/100 km, beneficiando em muito do sistema de desativação de cilindros que retira à equação quatro dos oito cilindros em V.

O preço a pagar por este conjunto absolutamente frenético é de 148.000 euros, o equivalente a um superdesportivo, o que até se adequa a este modelo de poderio indisfarçável.

CaracterísticasMercedes-AMG E63 S 4Matic+
Motor8 cil. em V, bi-turbo, injeção direta, desativação de cilindros
Cilindrada3.982 cc
Potência612 CV/5.750–6.500 rpm
Binário850 Nm/2.500–4.500 rpm
TransmissãoCaixa automática Speedshift MCT de 9 velocidades, tração integral 4Matic+ com vetorização de binário
Vel. máxima250 km/h (limitada)
0-100 KM/H3,4 seg
Consumo8,8 l/100 km
Emissões CO2199 g/km
Comp/larg/alt.4.993/1.9907/1.460
Peso1.880 kg
Mala540 litros
Depósito66 litros
Suspensão dianteira/traseiraDesportiva pneumática com câmaras de ar/desportiva pneumática com câmaras de ar (ambas ajustáveis)
Pneus sérieFrente: 265/35 R20; Atrás: 295/30 R20
Travões dianteiros/traseirosDiscos ventilados perfurados/discos ventilados perfurados
Preço (ensaiado)148.000€