Ensaio Mitsubishi ASX: Imagem atrativa e preço ajustado

Reis Pinto
Reis Pinto
Jornalista
Jornalista

Lançado já em 2010, o Mitsubishi ASX soube atualizar-se exteriormente, oferecendo uma imagem que atrai. Está disponível em apenas duas motorizações 1.6 (gasolina e Diesel) e o Motor24 ensaiou o MIVEC, de 117 cavalos, que usa o primeiro daqueles combustíveis. É um crossover que oferece uma boa habitabilidade, mas que não encontra neste motor um bom aliado. Vale pelo espaço interior, equipamento e pelo preço atrativo.

Apesar dos anos que já leva em cima, a nova “cara” do ASX consegue mantê-lo atual. O comportamento é são, dificilmente colocando o condutor em apuros, o que também não é de admirar, dado o pouco apelativo motor. Ter 117 cavalos para puxar 1335 quilos pode parecer mais do que suficiente. E seria, não fosse o caráter amorfo deste grupo propulsor, pouco ajudado pelo escalonamento longo da caixa de velocidades, esta sim, exemplar pelo engrenamento suave das relações.

Consumos elevados

E é uma ajuda preciosa neste ASX pois somos obrigados a reduzir constantemente uma relação ou duas para manter um andamento decente, mesmo em autoestrada. Disso se ressentem os consumos, longe dos anunciados. A marca, prudente, anuncia 7 litros em cidade (melhor somar-lhe mais 1, talvez 1,5 litros e a conduzir sem pressa) e cinco litros em estrada, que são muito difíceis de atingir.

No respeitante á dinâmica, e apesar de o ASX não reservar surpresas desagradáveis, fazendo tudo muito certinho, não podemos deixar passar em claro a direção demasiado vaga e a obrigar a correções com alguma frequência. Mas conduz-se bem em cidade, o seu terreno de eleição.

Montagem robusta

Uma vez no interior, este ASX Tokyo Edition, mistura o bom com o menos bom. Por exemplo, o espaço é generoso para os passageiros, não faltam espaços de arrumação, nem de carregamento dos gadgets que já não dispensamos. Os bancos são confortáveis e a mala tem uma capacidade correta.

O teto panorâmico agradou-nos bastante, pois torna o interior bastante luminoso. Mas não gostámos da fileira de leds cor de laranja que o bordeja (de intensidade regulável) e ainda menos da ausência de uma luz interior para os passageiros do banco de trás. Os materiais utilizados não são de topo, mas a montagem pareceu-nos robusta.

O sistema multimédia tem uma imagem ultrapassada, bem assim como as informações, monocromáticas, disponibilizadas no centro dos mostradores.

O equipamento nesta série é bastante completo, incluindo ar condicionado automático, câmara de ajuda ao estacionamento traseiro, sensores de luz e chuva, sistema de ajuda ao arranque em subida, porta refrigerado e sistema de mãos livres Bluetooth® com reconhecimento de voz. Este ASX acelera dos 0-100 km/h em 11,5 segundos e atinge os 183 km/h.

Até ao próximo dia 31 de março, este ASX custa 21 500 euros, mediante a entrega de uma viatura para abate, passando depois a custar 24 500 euros. Para o nível seguinte de equipamento haverá que pagar mais 3750 euros.

As versões Diesel, com o motor 1.6 DiD, de 114 cavalos, custam entre os 29 950 (26 350 euros com o desconto de campanha) e os 35 mil euros da versão de tração às quatro rodas.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.