O mais compacto dos Range Rover continua a ficar bem em todo o lado. A renovação trouxe-lhe este motor diesel Ingenium de 180 CV que lhe fica ainda melhor. Mas o que é bom nunca sai barato.

Tal como a longa designação indica, este Evoque tem tudo: a versão mais potente do novo turbodiesel de 2.0 litros, tração integral permanente, caixa automática de 9 velocidades e o nível de equipamento mais elevado, Dynamic. O preço de partida está nos 42 234 euros. Um valor elevado para o cidadão comum, mas nivelado pelos concorrentes diretos, como o Audi Q3 ou o BMW X1. E isto quando falamos da versão de acesso a este novo motor turbodiesel de 2.0 litros da geração Ingenium, que é o 2.0 eD4 de tração dianteira e caixa manual. Se falarmos no carro ensaiado (TD4 AWD 180 CV HSE Dynamic) o número dispara para os 66 490€.

Adorámos a versatilidade do sistema de tração “Terrain Response”, programável em quatro modos para se adaptar a pisos de asfalto, relva, gravilha, neve, lama ou areia; ficámos rendidos ao conforto da caixa automática de 9 velocidades (com um modo desportivo) e percebemos que o motor Ingenium tem pujança em baixas e recebe boa colaboração da caixa. É também um motor mais silencioso e suave nos baixos regimes que nos intermédios ou elevados e gasta, na vida real, dois litros acima dos 5,1 l/100 km anunciados pela marca.

Também confirmámos a excelente solidez e qualidade geral deste SUV de prestígio, um autêntico bloco de granito, seja nas curvas fechadas feitas com velocidade, onde a rigidez estrutural se traduz em eficácia, seja num estradão esburacado, onde o trem dianteiro revela excelente poder de encaixe. Tem, portanto, a virtude de se moldar a qualquer tipo de utilização. Basta para isso usar o programa de condução mais apropriado ao tipo de piso. A distância ao solo não permite atravessar zonas trialeiras mas os riachos até meio metro de profundidade são, para este Range, uma brincadeira tão fácil quanto as descidas íngremes ou os pisos soltos, sempre num casulo de conforto nivelado pelo que de melhor se encontra na classe de SUVs premium, em grande parte devido ao nível de equipamento sumptuoso que resumimos na ficha técnica.

O problema só poderá surgir na fatura, suficientemente “perigosa” para nos levar a medir a distância a que fica o outro SUV que todos querem: o Macan S diesel (258 CV). Não são bem concorrentes, é certo, mas a verdade é que, se contarmos com os 11 mil de extras do carro ensaiado, muitos deles incluídos de série no Macan, já só restam 8000 euros de distância.

Fica o conselho: se adora o Evoque (o que se compreende perfeitamente), mantenha-se neste evoluído motor Ingenium, que é claramente o melhor e mais eficiente da gama, mas opte pelas versões mais acessíveis. Sentirá sempre um orgulho enorme em “vestir” um dos SUV mais belos que se podem ver numa estrada e com a capacidade de sair dela com um certo à vontade. Como um genuino Land Rover, é carro para começar o dia de galochas e acabar à porta da ópera, sujo ou lavado, mas sempre com classe.

VEREDITO

Com a remodelação o habitáculo modernizou-se e apareceu este excelente diesel 2.0 de 180 CV. A caixa de 9 velocidades é a cereja no topo do bolo mas são 4000€ que tornam o preço ainda mais exorbitante.

Texto António Amorim / Turbo

Fotografia José Bispo