Rumo ao Iberian Porsche Meeting num Porsche 911 de 1966

O Jornal dos Clássicos vai marcar presença na maior concentração de desportivos Porsche da Península Ibérica, o Iberian Porsche Meeting, que decorre já este fim-de-semana de 8 a 9 de Julho, entre os municípios de Cascais, Évora e Portimão. E não vamos num automóvel qualquer, mas sim num dos Porsches mais antigos entre os 356 automóveis inscritos no evento. Nada mais, nada menos que um Porsche 911 2.0 Coupé de 1966. Sim, é um short wheelbase, a verdadeira génese do icónico modelo da Porsche. E vai levar-nos daqui até Évora numa viagem que usaremos para fazer a reportagem daquele que é o maior evento da marca alemã para 2017.

Sobre o Porsche 911 2.0 Coupé (1966)

Sucessor do Porsche 356, o modelo 911 pegava nos principais atributos do popular desportivo e multiplicava-lhe benefícios. Maior, mais largo, dispondo de uma carroçaria mais rígida e, acima de tudo, beneficiando de um novo e mais potente motor boxer, o 911 2.0 Coupé rapidamente entrou no léxico dos adeptos da marca germânica.

O protótipo do modelo foi apresentado publicamente pela primeira vez no Salão de Frankfurt de 1963, e instantaneamente cativou o público. Baptizado de 901 – apenas para ser rebaptizado 911 no lançamento comercial em 1964 devido à disputa do nome por parte da Peugeot – o coupé fazia uso de um novo motor seis cilindros boxer, com dois litros de capacidade, capaz de 130 cavalos de potência. O suficiente para uma velocidade máxima de 210 km/h. Tal como no 356, o novo Porsche 911 era caracterizado pela qualidade dos acabamentos e dos materiais utilizados no habitáculo, mas principalmente pela tecnologia mecânica utilizada. Aplicando o motor boxer atrás do eixo traseiro, os técnicos alemães evoluíam a carroçaria tipo monobloco, mas também a suspensão e sistema de travagem, criando um coupé com verdadeira apetência desportiva.

A constante evolução protagonizada pela Porsche levou à apresentação, em 1966, da versão 911 S, a primeira a ser equipada com as famosas jantes Fuchs em liga leve. No final desse ano a novidade era a nova carroçaria Targa, uma primeira tentativa de transformar o 911 em descapotável, com um roll bar permanente a servir para melhorar a segurança passiva. Em 1969 o Porsche 911 via a cilindrada do seu motor boxer subir para os 2,2 litros, não sem antes ter sido adaptada a caixa semiautomática Sportomatic, de quatro relações, em 1967.

De acordo com os registos de fábrica, este Porsche dado como completo em Outubro de 1966. Lacado de Verde Irlandês, o modelo terá sido especificado com os opcionais vidros fumados, tampões com escudo, retrovisor esquerdo, jantes cromadas e auto-rádio Blaupunkt Frankfurt. Utilizando o seis cilindros boxer Porsche tipo 901/05, com dois litros de capacidade e 130 cavalos de potência às 6.100 rotações, o coupé com a matrícula LB-78-87 está equipado com a correcta caixa manual de cinco velocidades tipo 902/1. Em Setembro de 2012 o veículo foi reconhecido pela Porsche Ibérica com um Certificado de Autenticidade.

Ficha técnica
1966
Alemanha
130 CV
6 cilindros
1.991 cc
5 velocidades
1.080 Kg
210 Km/h
Chassis #306234
Motor #909691

Fotos: Bernardo Lúcio