Para quem ainda desconfia de carros coreanos, eis o Hyundai i30

Rui Pelejão
Rui Pelejão
Editor-Executivo

Qual é a coisa mais importante num carro para um europeu? Ainda é o design. O novo i30 introduz a nova linguagem de design da Hyundai com a assinatura do designer que criou o Audi TT, o VW Eos, o New Beetle e renovou toda a imagem da Kia. Mas além do embrulho, o recheio também é bom.

Longe vai o tempo em que os carros coreanos eram saco de porrada de jornalistas, objeto de desprezo da concorrência e olhados com desconfiança pelos fiéis e conservadores clientes de marcas alemãs e francesas. Os carros coreanos eram baratos e económicos, mas pareciam eletrodomésticos e quase ninguém gostava de andar a guiar uma arca frigorífica com rodas, mesmo que fosse barata e fiável. Com uma estratégia paciente e meticulosa, a Hyundai e a Kia foram crescendo no mercado europeu, impondo-se primeiro pelo preço, depois pela fiabilidade e robustez, e agora, finalmente, pela qualidade geral, design e conteúdo tecnológico (e até pelo preço, mas desta vez ao contrário, porque alguns já não são pechinchas).

Quem ainda desdenha ou desconfia de carros de fabrico coreano vive literalmente no século passado. Aos jornalistas sobra-lhes a Ssangyong para irem afiando a pena e dar uma de Jeremy Clarkson lá da rua.

Com design, pensamento e filosofia cada vez mais europeia, os dois grandes construtores coreanos estão lançados numa grande ofensiva de produto no Velho Continente, oferecendo produtos perfeitamente compaginados com as modernas tendências tecnológicas e de marketing do mercado europeu. Não é à toa que o consórcio Hyundai e Kia é o quarto maior construtor mundial e quer repetir na Europa o sucesso alcançado na conquista da América.

O novo Hyundai i30 que esta semana foi lançado no mercado nacional corporiza bem todas as qualidades da marca coreana e mostra uma mão cheia de trunfos para ir a jogo no competitivo “casino” dos familiares do segmento médio, que ainda é o mais relevante no mercado europeu. Vejamos então cinco boas razões para acabar com preconceitos sobre marcas coreanas e conhecer o novo Hyundai i30

1 – Design – O nariz de tigre e a cascata

O design continua a estar no topo da lista nas preocupações de compra de automóvel na Europa. Foi também durante longos anos o ponto fraco das propostas coreanas, demasiado neutrais e sensaboronas para sobressaírem no meio da multidão.

Isso tem vindo a mudar nos últimos anos e o Hyundai i30 mostra ser um automóvel com personalidade própria e com uma nova linguagem formal. Depois de ter implementado o “tiger nose” como impressão digital nos produtos da Kia, o designer alemão Peter Shreyer está agora encarregue de transformar a Hyundai.

A sua primeira criação foi o Hyundai Tucson, mas é com o i30 que Shreyer afirma aquelas que serão as chaves da comunicação visual dos produtos Hyundai. A marca mais importante é a “grelha em cascata”, ponto de origem de todas as linhas de força do desenho do i30.

Os designers de automóveis são as pop stars da indústria e este alemão tem no seu portofólio a autoria do Audi TT, de vários modelos da Audi e da Volkswagen, onde pontificam modelos como o Golf de 1997, o Eos ou o New Beetle. Ao longo dos últimos anos tem estado a transformar toda a gama da Kia e agora é a vez da Hyundai receber o seu toque de Midas.

O resultado é aparentemente feliz — o i30 transmite uma imagem de robustez e elegância sóbria, com alguma “inspiração” nos compactos familiares alemães, especialmente da VW. Não sei se as pessoas vão passar na rua e dizer, olha vai ali o novo Hyundai i30, que isso leva tempo a gravar no gira-cabeças, mas ser confundido com um carro alemão já não é mau para o negócio.

E, na verdade, os Hyundai comercializados na Europa, são carros alemães, ou pelo menos, centro-europeus. A fábrica é em Novosice, na República Checa, mas o centro técnico de desenvolvimento e o design estão centralizados em Russelsheim, na Alemanha, partilhando recursos com a Kia. 

O Hyundai i30, é por isso um carro europeu. A versão de cinco portas, a primeira a ser lançada, distingue-se pela fluidez das suas linhas exteriores mas também por um habitáculo espaçoso e bem iluminado. A visibilidade foi um dos temas centrais do design de interiores, tal como a consola central e o painel de instrumentos que dão um enorme salto qualitativo em relação à geração anterior do i30.

Destaque ainda para a posição de condução, que beneficia não só da boa visibilidade em todos os ângulos, mas também da correta colocação em relação aos comandos do carro e à posição mais confortável que podemos encontrar facilmente, graças às múltiplas regulações. Tanto por fora, como por dentro, a Hyundai pode pedir o teste de paternidade europeu, porque o i30 tem mesmo ADN europeu.

2 – Gama completa – Move on

Antigamente tudo era bem diferente, como numa música da Rita Lee. A Hyundai quer mover-se para o futuro e i30 tem até um novo claim – Move on.

Isto significa também que passa a haver uma gama completa e estruturada e não apenas duas ou três versões, como era apanágio das marcas coreanas, e que limitava a escolha dos consumidores, bem como os objetivos de vendas dos concessionários da marca.

O novo Hyundai i30 vai ter diversas carroçarias, motorizações e transmissões, bem como níveis de equipamento à medida do gosto e da bolsa de cada freguês.  Para já, o caminho começa a ser aberto pela versão de cinco portas, no Salão de Genebra será apresentada a carrinha e ainda este ano mais duas novas versões — uma de altas prestações o Hyundai i30 N e uma versão de três portas, que a marca pré-baptiza de “fastback”.

O “N” passará a ser uma submarca da Hyundai para versões mais desportivas, que espelhe na gama os benefícios da imagem da equipa no Mundial de Ralis.

Quanto a motores, a oferta é alinhada da seguinte forma:

  • Três motores a gasolina: O 1.0 T-GDi turbo de três cilindros com 120 Cv, o 1.4 MPi de 100 cavalos ou o novo motor 1.4 T-GDi com uns simpáticos 140 Cv
  • Um motor Diesel com três níveis de potência: A Hyundai recorre ao seu tradicional 1.6 turbodiesel com potências de 95, 110 e 136 Cv.

Todas as versões dispõem de sistema de start & stop e podem ser combinadas com caixas manuais de seis velocidades ou de dupla embraiagem de sete velocidades.

3 – Tecnologia – Onde é que se liga o smartphone?

Tecnologia e equipamento são cada vez mais fatores determinantes para a competitividade de cada produto no mercado europeu. A Hyundai não se poupou a esforços e dotou a sua gama de recheio tecnológico, com alguns features que normalmente só estão acessíveis em segmentos superiores. Aos tradicionais níveis de equipamento Comfort e Style, junta-se a “Launch edition”, apenas disponível, como o próprio nome indica, no período de lançamento e que tem ofertas de equipamento no valor de 2600 euros

Uma das preocupações centrais da Hyundai foi responder a uma das preocupações centrais do cliente contemporâneo, ou seja a conectividade: Para isso o i30 permite a ligação do seu smartphone e oferece o sistema Apple Car Play para integrar com as funções de entretenimento, comunicação e navegação do veículo.

O ecrã tátil de cinco polegadas é de série, mas há um de oito polegadas opcional. Esta é a central de comandos do carro, é através dele que se controlam funções tão diversas como as ligações bluetooth, as imagens da câmara de estacionamento ou a funcionalidade My Music.

Para quem está sempre a ficar sem bateria no telemóvel, a Hyundai desenvolveu um sistema de carregamento sem fios ou uma ligação USB localizada na consola central. O novo sistema de navegação disponibiliza atualizações gratuitas dos mapas 3D para nunca se perder pelo caminho.

Quanto a segurança ativa, a lista de sistemas é bastante completa:

  • Travagem Autónoma de Emergência com deteção de peões
  • Alerta de Atenção do Condutor (DAA)
  • Cruise Control Inteligente Avançado (ASCC)
  • Deteção de Ângulo Moroto (BSD)
  • Alerta de Tráfego Transversal na Traseira (RCTA)
  • Sistema de Manutenção na Faixa de Rodagem (LKAS)
  • Função de Informação do Limite de Velocidade (SLIF)
  • Assistente de Luzes de Máximos (HBA)

Nem todos os equipamentos estão disponíveis de série em todas as versões, mas não deixa de impressionar o completo nível de dispositivos tecnológicos e de segurança que a Hyundai “carrega” no seu novo i30

4 – Preços e rivais — A fasquia está alta

Com todos estes argumentos a Hyundai tem naturais ambições no mais competitivo e povoado segmento do mercado automóvel europeu. Com preços competitivos (dependendo da versão), design apelativo e recheio tecnológico, a marca coreana de fabrico europeu, pretende posicionar-se em qualidade no topo do seu segmento e em preços na faixa média. Dito por outras palavras, quer ser um Volkswagen Golf com preços de Nissan Pulsar, para conquistar mercado no território do Renault Mégane. Ambicioso? Sim.

Mas a julgar pelo sucesso da estratégia da marca na Europa, este pode bem ser o Cavalo de Tróia que posicionará definitivamente a Hyundai no top of mind dos consumidores europeus, a não ser aqueles, claro, que ainda vivem no século passado, e que querem uma espécie de “Europe Great Again.”

Em Portugal, os preços iniciam-se nos 22 mil euros (para a versão 1.0 T-GDI de 120 CV) e estendem-se até aos 30 mil euros do Diesel de 136 Cv.

Com o novo Hyundai i30 os representantes da marca pretendem entrar no mercado empresarial, que é uma espécie de esteróide para se ganhar volume de vendas e quota no nosso idiossincrático mercado automóvel. 

5 – E na estrada — O Paddon que diga 

Isto é tudo muito bonito, mas às tradicionais perguntas: “Como é que ele se porta?”, “Consome muito?”, “Anda bem?”, “Mas é mesmo bom?”, a resposta terá de ficar para mais tarde. Estou neste momento a testar a versão com o novo motor a gasolina de 140 Cv e caixa de dupla embraiagem, por isso o melhor é deixar o Hayden Paddon dar as suas impressões sobre a condução do carro.

Mas atenção que ele é suspeito, afinal é piloto oficial da Hyundai Motosport no Mundial de Ralis, eu cá, infelizmente, não sou.

Preços i30:

1.0 TGDi 120cv Comfort: 22.367 euros

1.0 TGDi 120cv Comfort + Navi Pack: 22.967 euros

1.0 TGDi 120cv Style: 24.467 euros

1.0 TGDi 120cv Launch Edition: 24.467 euros

1.4 TGDi 140cv Comfort: 24.667 euros

1.4 TGDi 140cv Comfort + Navi Pack: 25.267 euros

1.4 TGDi 140cv Style: 26.767 euros

1.4 TGDi 140cv Launch Edition: 27.867 euros

1.6 CRDi 95cv Comfort: 25.867 euros

1.6 CRDi 95cv Comfort + Navi Pack: 26.467 euros

1.6 CRDi 110cv Comfort: 26.367 euros

1.6 CRDi 110cv Comfort + Navi Pack: 26.967 euros

1.6 CRDi 110cv Style: 28.467 euros

1.6 CRDi 110cv Launch Edition: 29.567 euros

1.6 CRDi 136cv Style: 29.467 euros

1.6 CRDi 136cv Launch Edition: 30.567 euros

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.