A nova geração do Fiesta foi oficialmente revelada, em Colónia, na Alemanha, num modelo que se reveste de enorme importância para a marca norte-americana em termos de representação no crucial segmento dos utilitários.

Com uma longa presença no mercado – a primeira geração foi lançada em 1976 –, o Fiesta conta com um legado pesado. Mas o novo modelo não escapa às tendências atuais da indústria automóvel, surgindo maior, mais espaçoso, mais eficiente e mais seguro, mesmo que a plataforma não seja nova. Crucialmente, o Fiesta de 2017 conta, também, com uma variante mais versátil – Active.

Abordando, desde já, este modelo mais robusto, a Ford apostou numa imagem mais arrojada, com maior altura ao solo, barras no tejadilho e um kit estético distinto com proteções inferiores. Uma novidade absoluta.

Ares de família

O aspeto não renega ao tradicionalismo da gama Fiesta, com uma secção dianteira imediatamente reconhecível. Grelha, faróis e para-choques conjugam-se para uma identidade muito vincada, a que se junta ainda o perfil muito semelhante ao do anterior Fiesta. É na traseira que este utilitário ‘vira o jogo’, com farolins em posição horizontal, abandonando a solução vertical que havia feito ‘escola’ até aqui. Confirmadas estão também duas carroçarias, de cinco e de três portas.

No interior, mais novidades, com o destaque a ser concedido ao ecrã tátil de 8.0 polegadas colocado em posição central e elevada na consola, cuja qualidade, garante a Ford, foi também muito melhorada. A este respeito, a companhia de Detroit adianta que a melhoria da qualidade foi, aliás, muito trabalhada, a par da vertente tecnológica, na qual o sistema SYNC 3 de infoentretenimento é oferecido.

a carregar vídeo

A Ford apelida este novo Fiesta de “utilitário mais avançado do mundo”, estando munido de algumas das mais recentes tecnologias de segurança e de assistência, como a de travagem de emergência, pré-colisão com deteção de peões, assistente ativo de estacionamento com função perpendicular, cruise control adaptativo e sistemas de manutenção na faixa de rodagem e de deteção de objetos/veículos no ângulo morto.

EcoBoost 1.0: De três cilindros passa a dois!

Como era de esperar, o novo Fiesta recorre a uma série de motores evoluídos, como o 1.0 EcoBoost, que apresenta, no entanto, uma grande novidade, na forma de um sistema de desativação de cilindros, uma estreia para um motor que tem configuração de três cilindros. Ou seja, graças a este inteligente sistema, o motor pode desligar um cilindro para maior eficiência (6%, de acordo com a Ford) em tão pouco como 14 milésimos de segundo. Quanto à unidade Diesel, esta terá maior eficiência e mais potência.

A gama de equipamento também foi robustecida, com a variante Titanium a ser apresentada – para já – como versão de base, seguindo-se a Vignale, mais requintada, a ST-Line, mais desportiva (cuja primeira imagem foi revelada ao final da tarde), e, finalmente, a Active, que procura apelar aos clientes dos crossovers de segmentos inferiores, concorrendo, por exemplo, com o Hyundai i20 Active ou o Volkswagen Polo Cross.