Os salões automóveis têm começado a perder muito do seu encanto para as grandes marcas automóveis. Com exceção do Salão de Genebra, que é ainda observado como o principal evento de estreias automóveis a nível global, sobretudo no que ao Velho Continente diz respeito, merecendo ainda a atenção por parte da grande maioria dos construtores.

Contudo, os outros certames têm vindo a perder a sua quota parte de participantes. No passado Salão de Paris, por exemplo, marcas como a Volvo, Ford, Aston Martin, Bentley, Lamborghini ou Mazda optaram por não marcar presença, mas agora, a pouco menos de um ano para o Salão de Frankfurt, em setembro de 2017, nota já para o primeiro desistente.

A Peugeot indicou que não estará presente no certame germânico, com o diretor de Marketing da companhia, Guillaume Couzy a referir que ao invés de alocar investimento a esse tipo de eventos, irá passar a direcionar mais dinheiro à comunicação digital e às plataformas digitais de promoção.

Além disso, outra razão passará pela quota de mercado mais reduzida da Peugeot na Alemanha, onde não vai além dos 1,7%. Mas essa poderá não ser a explicação, na medida em que a própria participação no Salão de Paris, onde em 2017 brilhou com uma série de novos modelos, está ainda a ser equacionada.

“Vamos focar-nos mais em eventos que aumentem a nossa capacidade de experimentar os carros. Isso leva a escolhas que, por vezes, parecem um pouco radicais, como a de não ir ao Salão de Frankfurt em 2017”, disse Couzy, em declarações reproduzidas no site francês Autoactu.