Com a Porsche a aventurar-se no capítulo dos elétricos com o Mission E, as expectativas da companhia para esse modelo são tremendamente elevadas. Isso fica bem patente pela ambição de vendas na ordem dos 20.000 exemplares por ano, uma fasquia alta e exigente para aquele que será o primeiro modelo elétrico a ser produzido pela marca germânica.

A marca propõe, para este Mission E, uma autonomia superior a 500 quilómetros e uma velocidade de carregamento das baterias inferior (em redor dos 15 minutos) àquela que é atualmente proposta por outros modelos elétricos no mercado. Contudo, assentando em ideais de mobilidade e de benefícios fiscais que deverão ser crescentes em diversos mercados, de forma incentivar a eletrificação do setor automóvel, a Porsche acredita que o Mission E terá uma… missão importante na afirmação da marca enquanto fabricante de modelos Premium elétricos.

A revelação foi feita pelo próprio CEO da Porsche, Oliver Blume, que espera um papel significativo desta berlina elétrica no plano comercial da companhia a breve-prazo, afiançando à revista Automobilwoche que a expectativa de 20.000 exemplares/ano é exequível de alcançar logo no primeiro ano de lançamento.

Como comparação, a Porsche vendeu pouco mais de 31.000 unidades no ano passado a nível global, mas esses 20.000 exemplares anuais seriam encaixados no crescimento, igualmente, das vendas da restante gama.

Outro tópico em discussão passa pela extensão da vertente elétrica a outros modelos da marca, sendo que a gama 718 poderá ser o próximo ‘alvo’ da Porsche, conforme revelou igualmente o CEO da Porsche: “Dividimos os segmentos e perguntámo-nos exatamente onde é que poderíamos seguir com a eletrificação, onde começaríamos com os plug-in e onde é que motores de combustão interna se encaixariam”, asseverou.

Por outras palavras, o 718 será o modelo cuja candidatura à propulsão elétrica parece fazer mais sentido para a Porsche, pelo que este desportivo poderá, em breve, contar com uma versão híbrida Plug-in ou puramente elétrica.