Sete milhões de dólares: foi este o valor angariado pelo exemplar adicional do LaFerrari produzido pela Ferrari para ajudar as vítimas dos recentes sismos em Itália. O hiperdesportivo híbrido, cuja produção inicial estava limitada a apenas 499 unidades, é um dos mais valiosos e exclusivos do mundo, seguindo a marca italiana a mesma filosofia já empregue no anterior Enzo, também ele com número limitado de exemplares.

Contudo, em virtude dos recentes sismos sentidos no centro de Itália, a marca decidiu construir uma derradeira unidade, sendo esta leiloada na recente edição das Finais Mundiais da Ferrari em Daytona, nos Estados Unidos da América (EUA), tornando-se igualmente no veículo do século XXI a granjear o maior valor em leilão.

A decisão de construir mais um exemplar do LaFerrari, modelo que combina um motor térmico com um elétrico para uma potência combinada de 963 CV, foi revelada pelo próprio CEO da companhia, Sergio Marchionne, no passado dia 31 de agosto, no decurso de um evento bilateral entre o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi (que se demitiu na noite de domingo, 4 de dezembro), e a chanceler alemã, Angela Merkel, que se realizou na sede da Ferrari, em Maranello.

Numa ação levada a cabo pela RM Sotheby’s em colaboração com a National Italian American Foundation, o vencedor do leilão pediu o anonimato, recebendo assim um modelo com uma decoração igualmente especial: juntando à cor encarnada da carroçaria, uma linha branca adorna igualmente o LaFerrari, percorrendo a zona do porta-bagagens e o compartimento do motor. Uma pequena bandeira italiana na dianteira destaca este modelo também como uma doação da própria Ferrari para o país. A marca adianta, ainda, que este LaFerrari terá uma versão descapotável correspondente.