Paulo Gonçalves: “Vamos enfrentar altitudes de 4 mil metros no Dakar”

Paulo Gonçalves tem sido um dos mais destacados pilotos lusos do Dakar nos últimos anos. O piloto de Esposende volta a enfrentar pela 11.ª vez a maior prova de todo-o-terreno do mundo, mantendo-se igualmente aos comandos de uma Honda CRF 450 Rally da equipa Monster Energy Honda Team. A prova, que se antevê como a mais difícil de sempre, não afasta o piloto português do objetivo que traçou  a vitória :“Temos a certeza absoluta de que este Dakar vai ser mesmo muito difícil, bem mais difícil do que aquilo que já foi em anos anteriores, vamos ter praticamente metade da corrida feita em grande altitude, meia semana de competição, seis dias de corrida, onde nunca vamos baixar dos 3.500 metros, vamos inclusive ter uma etapa que vai tocar os 5.000 metros, 4.900 para ser mais preciso. Isso irá causar certamente muita dificuldade aos pilotos, dores de cabeça, lentidão na forma de pensar, um desgaste físico muito grande porque para além de estarmos a competir a 4.800 metros em alguma situação em descanso nunca baixaremos dos 3.500 durante essa semana”, explicou o piloto de Esposende.

Gonçalves referiu ainda que algumas “etapas que vão tocar os 1.000 quilómetros entre o troço cronometrado e ligação e tudo isso são dificuldades acrescidas. Será certamente um Dakar sem descanso para os pilotos. É importante chegar o mais bem preparado possível, fazer uma boa aclimatação de forma a tentar sofrer o menos possível porque sofrer de certeza que vamos sofrer de alguma maneira mas pelo menos tentar reduzir essa dificuldade ao máximo. Tudo para que seja possível estar permanentemente na luta pela vitória final que esse é obviamente o principal objetivo.”