Ausências do Dakar: Desde saltos mal calculados a doping

Ainda a corrida não começou e já há diversas ausências a registar. Deve ser muito frustrante um piloto preparar-se todo um ano para o Dakar e de repente… tem que ficar em casa. É o caso de Bryce Menzies, que iria correr com um dos novos Mini da x-Raid. Não recuperou da sua lesão contraída em agosto, quando na tentativa de recorde do mundo de salto em comprimento… de carro, aterrou mal e lesionou os ligamentos do ombro. Ir para o Dakar mais difícil de sempre, segundo diz Marc Coma, com ‘ligamentos’ a menos, não seria nada bom.

Harry Hunt também teve que dizer adeus ao Dakar depois um grande acidente no Rali de Marrocos, destruiu-lhe o carro e deu-lhe cabo do físico.

Nas motos, foi-se um dos favoritos, o argentino Kevin Benavides (Honda), devido a uma fratura do pulso depois duma queda. Na KTM, depois de Antoine Meo não ter recuperado da operação do ano passado, o seu substituto, Iván Ramírez, apanhou um vírus que o derreou.

Já a russa Anastasiya Nifontova (Husqvarna), foi suspensa devido a doping pela Federação Internacional de Motociclismo, depois de ter sido apanhada em Marrocos. Não está fácil a vida dos russos, quase não há desporto em que não tenham problemas.

José Luis Abreu/AutoSport