Caso Vettel/Hamilton: Fórmula 1 deve seguir em frente

Era quase certo que a FIA não iria impor um castigo maior a Sebastian Vettel, apesar de o ter feito comparecer para explicar o que sucedeu em Baku, mas depois dos Comissários terem imposto a segunda penalização mais forte – a primeira teria sido excluí-lo da corrida apresentando-lhe bandeira preta – Jean Todt e a FIA não quiseram passar por cima da decisão dos Comissários do GP do Azerbaijão e por isso a pena ‘menor’ de realizar trabalho educacional em diversos eventos da entidade federativa, é um mal menor para o alemão.

Logicamente, fosse ela qual fosse a decisão haveria quem achasse bem e o contrário e na verdade há questões que não foram respondidas, mas simplesmente adiadas para ‘nova oportunidade’. Em primeiro lugar, Vettel só mudou a sua atitude assumindo que o que fez foi errado pedindo posteriormente desculpas quando se viu ‘apertado’ e em risco de ser novamente penalizado. A mensagem que passou é que um piloto “acha” que outro fez algo de errado, e “manda-lhe” com o carro para cima. Devagar é certo, mas mandou. Se isto voltar a acontecer, com outros intervenientes, desculpas também vão chegar?

Claramente os adeptos estão divididos quanto ao resultado deste caso, e não nos referimos aos que são adeptos de Vettel e Hamilton, e não conseguem ver para além disso. Compreendemos que a FIA tenha preferido que um caso destes pudesse colocar uma sombra sobre uma disputa que tem sido muito interessante e esse é um argumento que aceitamos totalmente, desde que Vettel fique mesmo com tolerância zero e que outros pilotos, caso prevariquem, tenham igualmente a oportunidade de pedir desculpa. O facto de Vettel já ter perdido nove os doze pontos possíveis na sua super licença não é por acaso e isso convém lembrar.

Por outro lado, o que vimos até aqui, dois pilotos a lutar diretamente pelas vitórias e a mostrarem publicamente um grande desportivismo, mesmo com declarações a referir o agrado que têm na luta em que estão envolvidos, ou seja muitos “beijinhos e abraços”, tudo isso acabou em Baku e o que vamos ver daqui para frente, acreditando que vão andar calmos porque sabem que a FIA está de olho neles, é difícil que daqui até ao fim do campeonato não voltem a existir razões de queixa de qualquer um dos lados contra o outro, e aí se vai ver como ficaram as coisas depois de Baku.

Não é preciso que os pilotos sejam amigos, é preciso é que se respeitem em pista e façam somente o que se espera deles, proporcionem grandes espetáculos em pista e deixem o resto de lado…

NOTA: Ontem o AutoSport publicou um artigo que posteriormente apagou, assim que se percebeu que quem escreveu o artigo não entendeu uma coisa muito importante. Lewis Hamilton não disse que tinha perdido o respeito pela FIA, simplesmente colocou um gosto num post duma rede social em que alguém tinha escrito isso. O que é totalmente diferente de lhe serem atribuídas essas palavras. Sendo verdade que as chancelou, porque colocou um ‘gosto’, não as disse. Essa é a verdade.

José Luís Abreu