Nove troços, sete vencedores e seis líderes diferentes

O Rali de Portugal quase desafia as regras da matemática. O número de vencedores de troços e de líderes diferentes é impressionante. Até ao momento realizaram-se nove classificativas. E há sete vencedores distintos.

Começou logo em Lousada, com Thierry Neuville e Mads Ostberg a empatarem no primeiro lugar. Continuou com Hayden Paddon, que venceu em Viana do Castelo 1. Jari-Matti Latvala foi o melhor em Caminha 1 e em Ponte de Lima 1 aconteceu algo inédito. Três pilotos obtiveram o melhor tempo. A saber: Kris Meeke, Ott Tanak e Craig Breen. No regresso a Viana do Castelo e a Caminha, Paddon e Neuville voltaram a vencer. Em Ponte de Lima 2, foi a vez de Dani Sordo se estrear a ganhar. Braga também foi uma estreia, desta vez para Sébastien Ogier. O dia terminou com Ostberg a fazer o que já tinha feito em Lousada, ser o mais rápido. Mas desta vez, não teve companhia como tinha acontecido na prova de abertura.

Relativamente a líderes, a prova começou com Neuville e Ostberg na frente. Cederam o testemunho a Paddon que o passou, posteriormente, a Latvala. O finlandês manteve-se na frente por dois troços. Ao quinto, nova troca de lugares. Meeke ascendeu a primeiro para dali sair logo de seguida, com Ott Tanak a assumir o comando da ronda portuguesa do campeonato do mundo. O estónia aguentou-se até ao fim do dia, apesar de ter uma vantagem de apenas 4,6 segundos para Dani Sordo.