Ogier com sorte de campeão no Rali de Monte Carlo

Não há campeões sem sorte e depois de Thierry Neuville ter liderado o Rali de Monte Carlo desde a primeira especial, construindo uma liderança que hoje já chegou a ser de um minuto face a Sébastien Ogier, um ligeiro toque foi suficiente para danificar a suspensão do Hyundai 20 WRC.

Numa curva em que o belga deixou escorregar demasiado a traseira do seu carro, isso foi suficiente para ficar logo por ali, demorando quase 50 minutos a completar o troço depois da equipas reparar, na medida do possível, os danos. Isso levou a que o francês da M-Sport passasse a liderar o rali, agora com 47.1s de avanço para Ott Tanak, seu colega de equipa.

Numa altura em que faltam apenas quatro troços para o fim do rali, fica claro que os homens da M-Sport vão entrar em contenção para garantir que chegam ao fim, o mesmo sucedendo com o terceiro classificado, Jari-Matti Latvala, que, a 2m20s do líder nada pode fazer para subir mais posições, até porque está muito perto de colocar a Toyota no pódio no rali que marca o regresso da marca nipónica ao WRC. Aquando do lançamento, falou-se me pódios, mas nunca logo a abrir a competição…

Por isso, está tudo a configurar-se para que Sébastien Ogier se estreie com um triunfo com a M-sport, e embora seja claro que quem fez muito mais por isso foi Thierry Neuville, a verdade é que quando Ogier errou, perdeu 40 segundos até conseguir sair do buraco em que se encontrava, com a ajuda do público, enquanto Neuville deixou escapar a traseira do i20 WRC e danificou irremediavelmente a suspensão. São estes pormenores nos ralis que definem quem ganha e quem perde não valendo muito a pena referir merecimentos, porque isso apenas serve para contar a história do rali. Os resultados finais é que contam!

De qualquer forma, isso não apaga o que de bom Neuville fez, ficando claro que pelo menos nesta prova o i20 WRC é um bom carro. Não se pode dizer que melhor que qualquer um dos outros, pois o que transparece é que os carros não terão competitividade muito diferente uns dos outros. E isso são ótimas notícias! De qualquer forma, ainda há quatro troços pela frente, que podem causar mais surpresas, embora a partir daqui, com as diferenças que há entre as equipas, seja muito pouco provável alguém tirar alguma roda fora do sítio. Provavelmente vai haver nomes menos evidentes a ganhar troços…

Tudo resolvido

Sebastien Ogier vai assim para o último dia de prova com 47s de avanço, a M-Sport está perto duma saborosa dobradinha, e Thierry Neuville demorou 47m29.9 a completar o troço mas fê-lo, e por isso deverá conseguir chegar à assistência e com isso, terminar o rali, podendo ainda lutar por cinco pontos na Power Stage.

O drama de Neuville coloca ainda a Toyota em linha com o pódio, apesar dos problemas de hoje sentidos no Yaris de Latvala. Já Dani Sordo teve também problemas com a direção assistida do outro Hyundai i20 WRc ainda em prova, e que levaram o espanhol a uma saída de estrada, caindo novamente para trás de Craig Breen, que surge num curioso quarto lugar, provando que nesta altura, vale mais um WRC 2016 fiável do que muitos WRC 2017 com tudo para provar.

Elfyn Evans venceu três troços no dia de hoje, e depois de ter chegado a ser 12º depois de ter saído no mesmo ponto que Ogier, ontem, já subiu para sexto. Grande Dmack! Por curiosidade, se contássemos só com a etapa de hoje, Evans seria segundo no rali…a 0.2s de Ogier, com Tanak a 46.8 e Latvala a 56.0s. Sintomático! Para amanhã, há mais quatro troços, o primeiro deles, às 8h22 de Portugal continental.

José Luis Abreu/Autosport