Peterhansel: “O Dakar tornou-se mais num sprint do que numa maratona”

Stéphane Peterhansel é claramente o principal favorito à vitória no Dakar, ainda mais num ano em que as dificuldades vão aumentar e a experiência será ainda mais importante. O ano passado, a sua vitória só foi confirmada por volta do carnaval em virtude de uma paragem para meter combustível há um ano que deu confusão que chegue. Este ano, a concorrência interna e externa está mais forte, mais ano menos ano, Peterhansel há-de, definitivamente, começar a perder, mas será que é já este ano?

“Acho que trabalhámos bem ao longo do ano e acumulámos o máximo de informação possível a nosso favor, em todas as frentes, humanas e técnicas. Esta prova nunca é simples, claro, mas não me sinto sob qualquer pressão em particular. Só quero começar! O meu objetivo é divertir-me ao volante do novo Peugeot 3008 DKR, modelo que mudou em várias áreas, em comparação com o 2008 DKR. É algo bom porque o Dakar tornou-se mais numa prova de sprint nas pistas do que uma verdadeira maratona no deserto. Estou curioso para ver qual será o efeito de passar tanto tempo a alta altitude na Bolívia, algo que vai ser novo para todos. Ter ar condicionado a bordo será um bónus. Esteve muito quente e húmido durante o nosso shakedown, mas o sistema cumpriu o seu papel na perfeição. É ótimo contar com ele, em termos de conforto e de performance.”

José Luis Abreu/Autosport