Ultrapassagens “estão mais difíceis, mas mais divertidas”, diz Verstappen

Max Verstappen admitiu que está mais difícil de ultrapassar em 2017, mas disse que as manobras são agora mais divertidas do que nos últimos anos, porque os pilotos precisam de trabalhar mais e melhor para conseguir ganhar uma posição em pista. A dificuldade é um reflexo dos novos regulamentos da Fórmula 1.

A nova geração de monolugares na F1 tem muito mais apoio aerodinâmico, além da maior velocidade em curva. Devido a estas alterações, existia receio que as ultrapassagens fossem em muito menor número esta temporada, o que acabou por se confirmar nas três primeiras corridas do campeonato. No GP do Bahrein, por exemplo, apenas existiram 22 ultrapassagens, contra 66 do ano passado. Apesar dos números, o holandês destaca que estas são mais ‘autênticas’.

“Está mais difícil do que no ano passado, mas definitivamente não é tão mau como se pensava”, afirmou o piloto da Red Bull. “Se tens pneus novos, precisas de uma ou duas voltas para realmente lutar por uma posição. Nesta temporada, o DRS não é tão útil. Na China, a maioria das ultrapassagens foram feitas sem o DRS, o que torna tudo ainda mais divertido”, admitiu.

“A curva 6 do circuito da China é um bom lugar para ultrapassar, especialmente quando se trava mais tarde”, destacou. A etapa da China, a segunda do calendário 2017 da F1, teve 31 ultrapassagens, enquanto, em 2016, foram 128. Já na Austrália, na abertura do campeonato, foram apenas cinco, contra 37 do último ano.

Rodrigo Fernandes/Autosport