Grupo PSA aposta forte na corrida aos carros autónomos

Tal como outros fabricantes, o Grupo PSA investe nos sistemas de piloto automático automóvel afincadamente. Para o próximo ano estão agendados dois modelos semi-autónomos – o SUV DS 7 Crossback e o Citröen C5 Aircross. A partir de 2020 seguem-se veículos com momentos de condução totalmente autónoma.

O Grupo PSA está a reforçar e acelerar o seu investimento na área dos veículos autónomos. Para 2018 estão preparados para o mercado dois modelos semi-autónomos, o SUV DS 7 Crossback, com um Nível 2 desta tecnologia, que no fabricante gaulês tem a designação Connected Pilot, e o Citroën C5 Aircross, que ainda terá a sua estreia no mercado chinês no final deste ano. O DS 7 Crossback, dotado do sistema Connected Pilot, desempenhará tarefas de condução autónoma como manter-se numa faixa e desviar-se para a esquerda ou para a direita com o intuito de deixar passar ciclistas ou motociclistas. Junta-se ainda o estacionamento sem a intervenção do condutor – bastando carregar num botão, e outras tecnologias adicionais vão equipar o modelo.

A partir de 2020 segue-se a transição para o nível 3 da condução autónoma, que capacitará o automóvel para conduzir sem intervenção humana em situações de tráfego intenso e em auto-estrada. O Grupo PSA foi a primeira companhia francesa a dispor de licenças para lançar veículos autónomos nas estradas de França e, em 2025 chegará ao nível 4 desta solução de mobilidade. A partir de 2030 o Grupo prevê fabricar carros totalmente autónomos com o nível 5 em que o habitual condutor passa a ser apenas mais um passageiro. Sebastian Loeb já teve oportunidade de testemunhar os avanços do Grupo PSA na condução autónoma, como pode ver neste vídeo.