Mercedes com motores mais pequenos

Um quatro cilindros abaixo dos atuais 1.5L, com capacidades de 1.2L e 1.4L, a que se junta um propulsor para oferecer performances ainda mais excelsas ao A45 AMG, são as principais novidades.

Segundo reportam os britânicos da Autocar, a Mercedes está a desenvolver dois motores com injeção direta, um deles disponível com 1.2L e 1.4L (M282), que se foca principalmente na redução das emissões e consumos, e outro com 1.6L e 2.0L (M260) que terá aplicação na gama de desportivos e outras versões. Estas apostas destinam-se à próxima geração de compactos da marca do grupo Daimler, composta atualmente pelo Classe B (que deve ganhar a companhia de um SUV GLB) e pela família “A”, que inclui o Classe A, o CLA, o GLA e deverá ser reforçada com um sedan inspirado no “Classe A Concept”. Embora ainda não existam informações sobre as potências, binários ou as características tecnológicas (quem sabe com a capacidade de desligar metade dos quatro cilindros, como o 1.5 TSI Evo do VW Golf, já que a eficiência é o foco), é referido que uma das principais parceiras da marca germânica, a Aliança Renault-Nissan, está a apoiar o desenvolvimento do novo propulsor que tem o nome de código M282. Disponível com cilindradas de 1200cc e 1400cc, isto significa que o motor em desenvolvimento (montado transversalmente) será mais frugal que os atuais blocos mais pequenos da marca, de 1.5L. Mas a mais entusiasmante novidade revelada pelos meios de comunicação social britânicos prende-se com a evolução que será obtida pelo novo motor M260, disponível com 1.6L e 2.0L. Isto porque segundo é avançado, ele será aplicado aos A45 AMG CLA45 AMG e GLA 45 AMG, elevando a sua potência além dos 400CV e desta forma garantindo performances ainda mais espetaculares para estes “insanos” compactos desportivos.

Enquanto não chegam estes motores e a próxima geração da gama A prevista para 2018, descubra aqui as alterações oferecidas pela Mercedes com a recente renovação tanto do Classe A como do GLA.