Deus Ex-Machina Brutale 800 RR sob o signo de Giacomo Agostini

A MV Agusta Brutale 800RR, com o seu motor tricilindrico de 140CV e apenas 168Kg de peso é tudo menos uma moto desinteressante e quem já teve o privilégio de rodar numa conhece bem o desempenho extraordinário da mesma.

Quando a Woolie, da DEUS Emporium em Venice, California, foi pedido pela MV Agusta que personalizasse uma Brutale 800RR, de imediato aceitou o desafio sabendo que era uma missão talhada para ele.

A equipa da MV Agusta pretendia que a preparação fosse orientada para um resultado final que estivesse directamente relacionado com as pistas de competição, por isso o farol dianteiro, os piscas, a luz de stop, o suporte de matrícula e outros componentes normalmente existentes para uma utilização em estrada foram directamente postos de lado.

AS MV’s de competição dos tempos áureos, quando Giacomo Agostini nos anos 60 era o homem e a máquina a bater, tinham depósitos de combustível e baquets muito marcantes no seu design, muito aerodinâmico e que simultâneamente se adaptavam à ergonomia dos pilotos.

Com espírito da competição em mente e inspirado pelas antigas MVs campeãs do mundo, Woolie concebeu o desenho do novo depósito e fabricou-o de raíz a partir de 7 peças distintas de alumínio. A primeira tentativa não resultou, dada a dificuldade de moldagem das peças, e o primeiro depósito foi para o lixo. Também a baquet foi desenhada de raíz de forma a combinar perfeitamente com o depósito e a parte eléctrica passou a estar escondida na mesma.

Os escapes era outro dos componentes que tinha que ser executado na perfeição. A partir de umas ponteiras produzidas pela Cone Engineering, foram realizados 30 cortes na sua secção e soldados novamente para se conseguir o desenho final pretendido. Para completar este trabalho foram colocados silenciadores da Roland Sands Design.

Um set de pneus slick da Pirelli foram montados e a suspensão traseira passou a montar um amortecedor Ohlins especialmente desenhado para este modelo. Para reposicionar o piloto foram colocados novos kits de peseiras da Rizoma e alterado o sub-quadro. O painel de informação original foi colocado de lado e foi montado um da tacómetro da Scitsu, de aspecto minimalista.

A nível dos travões foram montados sets de manetes e bombas da Beringer e o depósito do líquido de travão posterior é também da Rizoma. Os avanços são da Spiegler e a distribuição secundária foi convertida para 520. O acabamento final foi dado com uma lacagem de um soberbo vermelho racing.

Quando a testou pela primeira vez em pista Woolie ficou deslumbrado pelo desempenho da sua preparação.

Pedro Rocha

 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.