Ensaio: SWM RS 650 R – “One size fits all“

A SWM RS 650R é uma trail de linhas clássicas cuja imagem deixa de imediato transparecer o âmbito da sua utilização. A sua herança Husqvarna está patente no seu design e linhas gerais o que à partida é garantia de qualidade e de know-how tecnológico. A inspiração na Husky TE630 é evidente e certamente consequência do investimento que foi realizado na recuperação da marca SWM com a compra da antiga fábrica da Husqvarna em Itália pelo grupo chinês Shineray e liderada pelo engenheiro italiano Ampelio Macchi, que fez parte dos gabinetes de R&D da Aprilia, Cagiva e Husqvarna.

Apesar da tendência quase obsessiva dos fabricantes e do mercado em optarem cada vez mais por trails de grandes dimensões, quem procura a possibilidade de rodar em todo terreno mais sério, irá certamente optar por motos TT mais simples, mais leves e certamente menos onerosas. E a SWM RS 650R insere-se perfeitamente nesta categoria, onde disputa mercado com as XT 660 e KTM 690. Uma trail polivalente, com aptidões de todo terreno, que se desenvolve muito bem em estrada e em circuito urbano.

Test Drive ( hands on )

No nosso primeira contacto quisemos saber do seu comportamento numa utilização mais no dia a dia e tentar perceber se a sua configuração TT não seria demasiado radical para uma utilização em estrada e urbana.

A posição de condução é direita e cómoda com uma posição das mãos no guiador natural . O banco é algo rijo e pouco cómodo para tiradas longas. O arranque é realizado premindo a manete da embraiagem e a frio, simultâneamente com um manípulo que se situa no mesmo lado. Algo que requer alguma habituação. Pormenor que entendo positivo é o facto das luzes estarem sempre acesas e não corrermos o risco de circularmos com as mesmas apagadas. No entanto tiram algo de potência à bateria quando accionamos o motor de arranque.

O binómio motor com duas ponteiras de escape confere um carácter silencioso à moto, com pouca vibração a baixa rotação embora mais evidente em alta pois trata-se de um motor mono cilíndrico. A moto chega com facilidade aos 160 Km/h, altura em que se sente a direção algo leve e com tendência para abanar, comportamento normal tendo em conta a posição e a velocidade.

Os pneus mistos que calça asseguram um comportamento neutro em piso de alcatrão. Sempre com grip em qualquer situação, quer a curvar em velocidades mais elevadas, quer a travar com eficácia e a demonstrarem uma boa aderência.

A condução da SWM RS650 R em circuito urbano é algo divertida, convertendo-se num quase Urban Enduro, já que não existem nem buracos, nem passeios , nem carris de eléctricos ou quaisquer outros obstáculos que a impeçam de progredir livremente pela cidade. A sua altura e sobretudo a altura do guiador permitem-nos circular com facilidade no meio dos carros pois as nossas mãos passam sempre acima dos retrovisores da grande maioria dos mesmos.

Os travões Brembo asseguram uma excelente travagem, apenas com 2 dedos na manete e são progressivos. A suspensão Marzochi não me pareceu demasiado branda mas a necessitar algo de afinação de hidráulico. O amortecedor Sachs tem um desempenho acertado e de acordo com a tipologia da moto.

A altura da moto não é excessiva, aliás abaixo do habitual em motos de enduro, mas mesmo assim não recomendável para estaturas baixas. A única dificuldade que encontrei foi no descanso lateral, que recolhe automaticamente uma vez a moto colocada na vertical, o que é positivo, mas a sua colocação quando se está montado na moto é quase impossível, pois a mola é demasiado forte. A recomendação é a de colocar o descanso depois de já estar fora da moto. Um conselho final o de colocarem uma abraçadeira para afastar o cabo do travão da frente do mostrador do conta Kms. ( simples mas necessário )

O Motor

O motor é um 600 cc de injecção, com 6 velocidades e arranque eléctrico. Com um excelente binário em baixas, consegue-se circular a 50 km/h em 6ª sem o motor acusar falta de torque e sair em aceleração sem recorrer a uma mudança inferior. Um motor elástico e suave que combina perfeitamente com a utilização polivalente da moto. A relação da transmissão talvez seja demasiado longa para TT mas perfeita para estrada e circuito urbano, realidade que se entende ser um compromisso lógico dada a tipologia de polivalência da SWM 650. As ponteiras de escape duplas conferem um maior silêncio ao conjunto sem prejudicar o desempenho, embora, na minha opinião, a montagem de 2 ponteiras racing faria despertar certamente o seu verdadeiro carácter.

A frio o motor tem alguma dificuldade no arranque e obriga a utilizar o manípulo para o efeito. Em quente a moto arranca à primeira com enorme facilidade. O motor é talvez o elemento de maior excelência desta moto, aliás, é exactamente o mesmo motor adoptado pela recentemente lançada AJP PR7. Um comparativo entre as duas máquinas está a ser preparado para breve.

Adaptação e Off Road

Quisemos ir mais longe e colocar à prova as qualidades de todo terreno da SWM RS650R e desafiámos o importador, a IMEX Moto, a preparar a moto com pneus para o efeito. E assim foi, a SWM voltou preparada para enfrentar novos desafios.

Sem querer cair em exageros nem em percursos muito exigentes, com trialeiras agressivas ou saltos, escolhemos um percurso misto fora de estrada, mas onde pudéssemos testar o comportamento da SWM em diferentes tipos de piso. Embora a relação fosse a mesma, demasiado longa e a penalizar a saída da moto em determinadas situações, o seu desempenho esteve à altura do seu histórico passado quando nos anos 70 as SWM se batiam taco a taco com as KTM nos campeonatos do ISDT.

Ficámos com a impressão de que com pequenas adaptações ficaríamos quase com uma boa moto de Adventure Enduro… entre as quais pneus, ponteiras racing, talvez um amortecedor de direcção e claro retirando tudo o que não faz falta numa pilotagem desportiva. ( retrovisores , piscas, frontal por outro mais leve ).

 Qualidade

A qualidade do conjunto é a mesma que se pode esperar de qualquer moto italiana da actualidade reforçada pelo facto de que herdou todo um património invejável de investigação e desenvolvimento da Husqvarna, e a colaboração de alguns dos seus engenheiros e staff. Vemos já por exemplo uma evolução estética de 2016 para 2017, pois uma dos que factores que na minha opinião penalizava a SWM era precisamente uma estética algo antiquada e pouco impactante. A qualidade de outros componentes que monta é inquestionável e marcas como a Brembo, Marzochi e Sachs valorizam ainda mais todo o conjunto. Estou certo que a evolução futura irá ser ainda mais positiva e de acordo com as ambições da marca.

Equipamento e Opções ( options )

A SWM RS650 é uma excelente opção, se considerarmos o seu competitivo preço imbatível de 6.490,00 € ( em promoção a versão 2016 que testámos está a 5.650€ ) e com a possibilidade de com investimentos reduzidos a adaptarmos ainda mais à utilização que lhe pretendermos dar. Ao ser inclusivamente uma evolução da Husqvarna TE630, muitos equipamentos de outros fabricantes que foram produzidos para a mesma são também adaptáveis à SWM RS650, como por exemplo depósitos de maior capacidade que poderão dotar a SWM da possibilidade de percorrer trajectos mais extensos e transformar-se numa pequena adventure. Não esqueçamos que qualquer outra moto das mesmas características por exemplo da KTM ou Husqvarna custam mais de 10.000,€.

 Características (* )

SWM RS650 R
Motor
Tipo I cilindro a 4 tempos refrigerado líquida DOHC , 4 válvulas
Diâmetro x curso 100 mm x 76.5 mm
Cilindrada 600 cc
Potência máx. 53.6 cv às 7.500
Binário max. 53,5 Nm às 6,500 rpm
Taxa de compressão 12.4 : 1
Gestão do motor Injeção eletrónica EFI, Mikuni D45
Controlo da emissão de gases Compatível com a norma de emissões EU3 e EU4 ( 2017 )
Prestações / Consumo
Velocidade máxima mais de 160 km/h
Consumo por cada 100 km a uma velocidade constante de 90 km/h n/d
Consumo por cada 100 km a uma velocidade constante de 120 km/h n/d
Combustível Gasolina sem chumbo de 95-98 octanas RON (potência máx. obtida com combustível de 98 octanas RON)
Sistema elétrico
Alternador electric start com descompressor automático
Bateria 12 V 12Ah
Transmissão
Embraiagem Embraiagem multidisco, de acionamento hidráulico
Caixa de velocidades 6 velocidades
Transmissão secundária Corrente
Ciclística / travões
Quadro Aço de alta resistência e berço duplo. Posterior em liga
Suspensão dianteira Forquilha telescópica com diâmetro fixo de 41 mm Marzochi
Suspensão traseira Amortecedor Sachs
Curso da suspensão dianteira / traseira 210 mm / 269 mm
Distância entre eixos 1.505 mm
Avanço 116,1 mm
Ângulo da coluna de direção 61°
Jantes Alumínio fundido
Jante dianteira 1,60 x 21″
Jante traseira 2,15 x 18″
Pneu dianteiro 90/90 R 21
Pneu traseiro 140/80 R18
Travão dianteiro Disco simples de 260 mm
Travão traseiro Disco simples de 220 mm
PInças Brembo
Dimensões / pesos
Comprimento 2281 mm
Largura (com espelhos) 820 mm
Altura (sem espelhos) 1171 mm
Altura do banco, peso sem carga 899 mm
Altura ao chão 249 mm
Peso sem carga, com meios de funcionamento 144 kg
Peso a seco n/d kg
Peso total permitido n/d kg
Capacidade do depósito 12 l
ReservaPreço aprox. 2,5 l6.490,00- €
(*) informação do representantehttp://www.imexmoto.com/retail/catalogo/-/rs-650-r-my16-326/

Concorrência

Podemos considerar dada a tipologia e o segmento da SWM RS650 talvez 3 concorrentes directas da mesma:

KTM 690 Enduro

2016-KTM-690-Enduro-R2

654 cc / 66cv / 136 Kg / 10.099,00 €

Husqvarna 701 Enduro

2016-Husqvarna-701-Enduro-38

690 cc / 66cv /- / 10.418,00 €

AJP PR7

maxresdefault

600 cc / 60 cv / 148 Kg / 10.450,00 €

Ensaio realizado por: Pedro Rocha dos Santos

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.