Equipado com um novo motor elétrico, o Renault Zoe, apresenta-se como uma proposta interessante para quem vive no ambiente urbano e é adepto deste tipo de motorização

Inicialmente olhados com natural desconfiança, os veículos elétricos começam paulatinamente a ganhar o seu espaço, sendo cada vez em maior número os condutores que aderem a esta tecnologia, que elimina as emissões poluentes para a atmosfera. Eu próprio nunca tinha estado ao volante de um automóvel movido 100% por energia elétrica e o mínimo que se pode dizer desta experiência é que primeiro estranha-se, depois entranha-se, relembrando a célebre frase do nosso Fernando Pessoa.

A grande novidade para esta geração do Renault Zoe está no propulsor que é alimentado por uma bateria de iões de lítio de 400 V e que pesa 290 kg. Os técnicos da insígnia gaulesa criaram um motor elétrico, o R240, que oferece a mesma potência de 65 kW (88 cv) do anterior R210, mas a autonomia da bateria do ZOE aumentou 30 quilómetros, de 210 para 240, podendo atingir até 170 quilómetros reais de utilização, ou 115 km no inverno. Esta situação deve-se sobretudo ao novo sistema de gestão eletrónica que aproveita melhor os recursos para otimizar o consumo energético e consequentemente aumentar a autonomia.

Contudo, e apesar desta novidade, a autonomia irá sempre estar relacionada com o estilo de condução adotado, utilização do ar condicionado, velocidade ou o perfil da estrada. O novo motor R240 beneficiou ainda de uma evolução do sistema de carregamento Caméléon. Esta situação permite que em nove horas um carregamento a partir das tomadas domésticas de 3 e 11 kW, deixe o Zoe 100% carregado. Já nas tomadas públicas, onde existem os terminais de carga acelerada de 22 e 43 kW, basta uma hora para que a bateria esteja 80% carregada.

Condução agradável
Depois dos detalhes técnicos passamos às sensações ao volante do Renault Zoe. Na versão ensaiada, Intens, sobressai desde logo um automóvel ágil que tem uma condução leve, tranquila, que é ideal para um ambiente urbano. Outro aspecto bastante interessante é a boa resposta do motor elétrico mesmo em baixas rotações, obra do binário de 220 Nm. Basta um mínimo toque no pedal do acelerador para o motor dar de si. Tendo como velocidade máxima 135 km/h, é de notar o disparar do consumo de energia a partir dos 90 km/h. Daí a importância do modo ECO, que acaba por ser o indicado para uma utilização diária do Zoe, pois a potência do motor elétrico sofre uma natural redução e todos os elementos de veículo que gastam energia, como o ar condicionado, são otimizados. O facto do automóvel estar ainda equipado com o sistema de recuperação de energia cinética, nomeadamente ao nível da travagem e desaceleração, vem ajudar a esta ideia e leva a um natural maior prolongamento da vida da bateria. No fundo o Zoe acaba por ser o automóvel ideal para quem vive no ambiente urbano e onde o ‘pé pesado’ e o acumular em excesso de quilómetros diariamente não é uma realidade. O não percorrer demasiados quilómetros aliado ao eficaz modo ECO permite mesmo que não seja necessário ter o veículo ligado à tomada para que seja recarrregado. Em termos de interiores, como seria de esperar sobressai a simplicidade nos mais diversos domínios: tablier, consola central (dotada do sistema multimédia R-Link 2) e bancos. Num interior que é caracterizado também pela existência de alguns plásticos, nota para o facto do espaço para os passageiros traseiros não ser o maior tanto ao nível de largura como altura. Para esta situação contribui o facto das baterias estarem montadas sob o piso, o que faz elevar os bancos. Por último, em termos de preços, estes estão balizados entre os 22 150 € da versão Life e os 29 450 € da versão Bose. A versão ensaiada, Intens, está numa zona intermédia tendo o seu preço base situado nos 26 650 €. Num automóvel que está isento do Imposto Único de Circulação, acresce ainda o valor do aluguer mensal de 69 € para utilização pessoal e 119 € para clientes particulares. A opção de compra está também disponível para quem estiver interessado.

José Luis Abreu/Autosport

FICHA TÉCNICA

Motor: Elétrico Sincronom Bateria Iões de Lítio com 400 volts;

Potência: 65 kW (88 cv);

Binário: 220 Nm/2500 RPM;

Transmissão: caixa de velocidades automática;

Suspensão: Pseudo McPherson à frente e Eixo Flexível atrás;

Travagem: DV/T;

Peso: 1435 kg;

Mala: 338 l;

Vel.Máxima: 135 km/h,

Aceleração 0-100 km/h: 13.5s

PREÇO 26.650 €