China quer reduzir emissões com veículos elétricos

Foram reveladas previsões no gigante asiático que anunciam quotas de 20% do mercado para veículos autónomos em 2025 e 40% de elétricos em 2030.

Foi noticiado pela Bloomberg que a China, através do seu Ministério da Indústria, revelou novas previsões para o futuro do mercado automóvel neste país. E esta visão, tendo em conta a dimensão do Império do Meio, é bastante animadora para as marcas que têm apostado em àreas como a eletrificação ou a condução autónoma, já que elas devem ganhar força nos próximos anos nesta nação. Segurança e impacto ambiental são palavras de ordem para os próximos quinze anos, pelo que a expetativa é que 20% dos veículos vendidos em 2025 sejam autónomos, e que quatro em cada dez que saiam dos concessionários em 2030 sejam 100% elétricos. Para se perceber o impacto que esta situação pode ter, inclusive ajudando a acelerar o desenvolvimento destas tecnologias, basta recordar os dados do mercado de 2015, em que foram vendidos 21 milhões de automóveis na China. Caso as perspetivas fossem em conta a este valor, isto significaria 4,75 milhões de viaturas autónomas dentro de nove anos e 10,5 milhões de automóveis sem emissões poluentes daqui a 14 anos. Será, no entanto necessário um grande salto evolutivo nesse sentido, já que em 2015 as vendas de elétricos continuavam a ter apenas um valor residual do mercado, e existem outras regiões e países, como Europa, Estados Unidos e Japão, onde as pesquisas a viaturas que se conduzam sozinhas vão bastante mais avançadas.