Confirmados 30.000€ por cada carro fraudulento na U.E.

A Alemanha foi a nação que mais lutou contra as novas regras que pretendem impedir a repetição de casos como o Dieselgate da Volkswagen. Descubra o que vai mudar…

Já tem luz verde por parte dos vários governos europeus a introdução de novas regras para os testes de emissões a automóveis, um conjunto de alterações que pretende evitar a repetição de escândalos de fraudes de emissões como aquele que afetou mais de 7 milhões de veículos do Grupo VW. De acordo com as informações difundidas pela Reuters, a maior resistência à introdução destes novos procedimentos veio da Alemanha, mesmo tendo em conta a falha da sua entidade reguladora (KBA) em descortinar a existência do software que permitiu a modelos da Volkswagen emitir até 15 vezes mais do que os limites estabelecidos de NOx. A passagem de mais poderes para as entidades comunitárias estava, segundo indicado, na origem destas reservas por parte das autoridades germânicas.

De qualquer maneira, além das diversas alterações que lhe revelámos neste artigo e onde se destacam as multas até 30.000€ por cada automóvel fraudulento, foi agora ainda adicionada uma modificação que permite a realização de testes adicionais. Segundo esta medida, mesmo após os testes iniciais realizados aquando da entrada em comercialização (à partida no país onde fica a Sede de Administração de marca para o mercado europeu), as outras nações podem também passam a realizar testes adicionais para verificar o cumprimento dos limites legais de poluição.

Fique a saber neste artigo as principais alterações às regras de homologação dos automóveis para espaço comunitário que foram introduzidas por iniciativa do Parlamento Europeu.

Nuno Fatela

Fontes: Reuters e Conselho Europeu