Crise chega aos salões automóveis

A tendência não é de agora, com o último Salão Automóvel de Paris a anunciar que algo estava a mudar na indústria: com canais de comunicação próprios e uma presença cada vez mais sustentada no online, as marcas de automóveis começam a relegar para segundo plano os avultados investimentos que até aqui eram feitos nos salões da especialidade — verdadeiras montras onde podiam dar a conhecer as suas novidades e tecnologias aos jornalistas, consumidores e adeptos de todo o mundo.

Mas a apenas algumas semanas do Salão Automóvel de Frankfurt, o maior a nível europeu, confirma-se que pelo menos nove marcas de relevo não estarão presentes, nomeadamente a DS, Infiniti, Peugeot, Jeep, Fiat, Alfa Romeo, Mitsubishi, Volvo e Nissan. Todas juntas representam cerca de 20% das vendas na Europa, o não deixa de ser assinalável.

Leia também: Novo Subaru Impreza estreia em Frankfurt

Ao Automotive News Europe, o analisa Ian Fletcher confirma que é cada vez mais difícil para os fabricantes justificarem o enorme investimento em função do seu efeito nas vendas de automóveis: “Questionaria qual a correspondência entre o público que se desloca a estes certames às transações que efetivamente são realizadas — aposto que a maioria dos clientes hoje prefere fazer a sua pesquisa online”.

O facto de as marcas poderem interagir diretamente com os seus potenciais clientes através das redes sociais e eventos mais pequenos ou dedicados está igualmente a influenciar as decisões nesta matéria, porque o poder de alcance é muito superior, a exposição mediática é exclusiva (e não partilhada) e não existe uma fronteira ou espaço físico a condicionar a relação com o consumidor.

Qual, então, o motivo para se gastarem milhões de dólares numa exposição estática num qualquer centro de convenções ou exposições quando hoje, através da internet, se pode comunicar, de forma específica e segmentada, às audiências que interessam é a pergunta que todos fazem. Mas isso não significa necessariamente que os salões irão desaparecer do mapa por completo. A forma de os viver é que terá provavelmente de ser diferente.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.