E siga a Fiesta! Ou como a Ford renovou profundamente o seu utilitário

Está já disponível no mercado português o novo Ford Fiesta, nas carroçarias de 3 e 5 portas, com os níveis de equipamento Business e Titanium (este apenas nas versões de 5 portas) e quatro propostas a gasolina mais uma Diesel. Estamos a experimentar a nova geração por estradas de Valladolid (Espanha) e explicamos-lhe como os técnicos da Ford fizeram para o melhorar.

À primeira vista parece que tudo se mantém igual e a ideia foi precisamente essa… Apesar de se tratar de uma nova geração, a Ford procurou que o sucesso que o Fiesta tem por essa Europa fora não fosse beliscado por alterações demasiado arrojadas, introduzindo-lhe modificações bastante subtis as que resultam num visual mais moderno: a grelha tem agora uma forma mais… “sorridente” conferindo um ar mais amigável à dianteira; na traseira as ópticas passaram a ser horizontais, transmitindo uma imagem mais sólida, mais… “premium”.

É verdade que a plataforma é a mesma da geração que agora sai de cena – depois dos bons serviços prestados desde 2008, com uma actualização em 2013 –, embora com várias e importantes alterações: os 4 mm a mais na distância entre eixos até será das menores evoluções, quando comparados com os alargamentos mais importantes das vias dianteira e traseira, o maior espaço para pernas dos ocupantes do banco traseiro – mais 14 mm, ganhos na distância entre eixos e com bancos mais finos –, as novas afinações das suspensões para um rolamento mais suave ou, claro, o interior totalmente refeito.

O novo Ford Fiesta é 7 cm mais comprido (essencialmente pelos pára-choques mais bojudos) e 1,3 cm mais largo que a geração que substitui, enquanto os 1,4 cm que perdeu em altura não se notam na habitabilidade que se mantém bastante boa. Perdeu a confusa parafernália de botões no centro da consola, aparecendo no seu lugar um ecrã táctil que, para já, só pudemos conhecer na versão mais nobre, com 8’’. Trata-se, contudo, de um opcional, já que, de série, o Fiesta virá com ecrãs de 4,5 ou 6,5’’ que não ainda pudemos ver. O ecrã grande é prático e fica mesmo à mão, de início até o sentimos… demasiado perto!

Mecânica

Os Ford Fiesta que agora chegam ao mercado contam com o já conhecido motor tricilíndrico 1.0 Ecoboost de 100 e 125 cv e uma nova variante deste propulsor, com 1,1 litros e sem turbo, com 70 ou 85 cv. O Diesel será o quatro cilindros 1.5 TDCI de 85 cv. Em Setembro chegarão novas versões do 1.0 Ecoboost com 140 cv e do 1.5 TDCI com 120 cv. Por agora só existirão os níveis de equipamento Business e Titanium, em Setembro passará a haver os ST Line e Vignale. Os preços das versões já disponíveis são os seguintes:

Ford Fiesta 3 portas

  • 1.1 70 cv Business 16.383 €
  • 1.1 85 cv Business 16.688 €
  • 1.0 Ecoboost 100 cv Business 17.245 €
  • 1.5 TDCI Business 20.384 €

Ford Fiesta 5 portas

  • 1.1 70 cv Business 16.942 €
  • 1.1 85 cv Business 17.247 €
  • 1.0 Ecoboost 100 cv Business 17.804 €
  • 1.5 TDCI 85 cv Business 20.994 €
  • 1.1 85 cv Titanium 17.928 €
  • 1.0 Ecoboost 100 cv Titanium 18.485 €
  • 1.0 Ecoboost 125 cv Titanium 19.252 €
  • 1.5 TDCI Titanium 21.675 €

Uma das maiores novidades desta nova geração do Fiesta é que, mais que um modelo, passámos a estar perante uma família de versões com inúmeras possibilidades de personalizações. A Ford considera que o Fiesta não é carro para entrar na moda das pinturas bi-tom mas, ainda assim, oferece a possibilidade de escolher cinco cores diferentes para o tejadilho, num total de 29 combinações possíveis entre os tons do tecto e os da carroçaria.

Versões

Outro caminho trilhado por este Fiesta é a multiplicidade de versões: haverá o luxuoso Vignale com acabamentos de nível superior, com forros em pele e bancos especiais, além de ópticas dianteiras com luzes diurnas em LED; haverá as versões ST Line, mais desportivas, que até terão a suspensão rebaixada em 10 mm, volante e bancos desportivos; e uma nova variante, a Active, que só chegará no início da próxima Primavera, que será o equivalente a um Fiesta “crossover”, com a suspensão elevada em 17 mm e protecções em plástico para um ar mais aventureiro.

Por essa altura chegará também o Fiesta mais potente, o ST, que contará com um motor de três cilindros turbo, com 1,5 litros de cilindrada e 200 cv! Estes são os detalhes mais importantes da profunda renovação do Ford Fiesta que estamos a experimentar por estradas espanholas e cujos resultados práticos poderá conhecer na próxima edição da Revista Turbo.

Sérgio Veiga/Turbo

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.