O seu filho tirou a carta? Ajude a mantê-lo seguro

Aqui ficam seis dicas para os pais ajudarem os filhos que acabaram de tirar a carta a aumentar a sua segurança nas estradas.

Existe um “mito” que a maioria dos condutores acaba por ter um acidente (nem que seja a mais ligeira das colisões) durante os primeiros meses após tirar a carta. Para descanso de todos, nada comprova esta ideia. No entanto, a passagem para um ambiente de condução em que, ao contrário das aulas com os instrutores, os jovens estão sozinhos nas estradas é sempre um choque e algo que, até pelos nervos causados, cria situações de tensão. Estes momentos em que o coração bate mais forte, aliados à falta de prática, podem ser potenciadores de acidentes devido a erros, pelo que aqui deixamos seis conselhos que ajudam a aumentar a segurança dos condutores mais jovens.

Acompanhar os filhos durante os primeiros tempos

Além do conforto e confiança geradas por ter um adulto com mais experiência no carro, os pais podem ajudar a explicar práticas de bom comportamento na estrada e até ajudar a eliminar erros e práticas pouco aconselhadas.

Liderar por exemplo

Se queremos que os nossos filhos se comportem de forma correta nas estradas, nada como mostrar-lhes o que isto significa. Ver os pais a exceder os limites de velocidade, ignorar regras como os sinais stop, cedências de passagem e sinais vermelhos, e outros maus exemplos como não parar nas passadeiras ou utilizar o telemóvel enquanto se conduz, pode dar aos menos experientes a sensação de impunidade caso façam as mesmas manobras. Além de significarem infrações ao código da estrada, são práticas que podem significar em muitos casos acidentes com consequências mais graves.

Não ter pressa em comprar-lhes um carro

Pegar no carro dos pais é uma responsabilidade adicional que pode ajudar a refrear os ânimos dos recém-encartados. Bater com um carro próprio significa passar a andar a pé ou de transportes, mas ter um acidente com o carro dos pais não representa apenas dano próprio, o que pode ajudar os novos condutores a ter uma atitude mais consciente.

Avaliar os ratings de segurança

Caso não queira aceitar o conselho anterior, deve sempre ter em atenção os ratings de segurança dos automóveis que pondera adquirir, pois caso venha efetivamente a ocorrer um acidente este “pequeno grande” detalhe pode ter um impacto abismal. Por exemplo, no site da EuroNcap vai encontrar as notas atribuídas a nível europeu desde 1997.

Quem infringe deve pagar

Dar “cobertura” aos filhos e pagar as multas que eles recebem é uma má prática, que significa a desresponsabilização dos mesmos pelos seus erros. Os pontos serão sempre retirados da carta deles, mas se além disso também forem retirados os montantes da multa da sua conta ou mesada certamente eles vão pensar melhor antes de voltarem a prevaricar.

Mostrar os números

Por vezes uma estatística vale mais do que mil “sermões”. Apresente-lhe os números da sinistralidade, que mostram que em mais de 90% dos acidentes existe erro humano e que os jovens condutores estão muito mais propensos a ter acidentes do que restantes grupos etários. A sinistralidade rodoviária é a principal causa de morte na Europa para pessoas entre os 18 e 24 anos e, segundo pesquisas da Ford, no nosso continente os jovens com esta idade têm o dobro da probabilidade do resto dos condutores de perder a vida nas estradas.