Lotus passa para mãos chinesas

A Geely, que já é proprietária da Volvo e da recém-lançada Lynk & Co, prepara-se para assumir o controlo da marca inglesa no mês de julho.

A Lotus vai agora “falar” chinês. O Grupo Geely (conhecido por ser proprietário da Volvo), acaba de confirmar a aquisição de 49% da Proton, que era proprietária da marca inglesa, ao grupo DRB-HCOM, num acordo que prevê o controlo de 51% das ações do fabricante dos modelos Elise, Exige e Evora. Ainda não são conhecidos os valores deste negócio mas o acordo deverá estar completo em julho, e coloca fim à especulação em relação à aquisição da malaia Proton, que também estava na mira de outras companhias como o Grupo PSA.

Estas são, aparentemente, boas notícias para a Lotus, que era detida desde 1986 pela Proton e que no final de 2016 conseguiu pela primeira vez da sua história obter lucros. Com este negócio, a marca britânica de Hethel garante acesso às motorizações e plataformas do grupo chinês (onde se incluem as novas arquiteturas modulares da Volvo como a CMA da gama 40) e ainda sinergias futuras na pesquisa e desenvolvimento e na produção. Mas esta é uma situação em que a Geely também fica a ganhar, garantindo uma porta de entrada para os mercados do sudeste asiático.

São grandes as esperanças relativamente ao significado deste negócio para a Lotus, bastando recordar o sucesso do trabalho que a Geely fez para reerguer a mais famosa marca da Escandinávia. Esse foi, aliás, o elemento mais marcante do discurso do Vice-Presidente do gigante da indústria automóvel da China, Donghui Li, ao confirmar a aquisição. “Refletindo a experiência acumulada com a revitalização da Volvo Cars, queremos libertar todo o potencial da Lotus e trazê-la para uma nova fase de desenvolvimento ao expandir e acelerar a introdução de novos produtos e tecnologias”.

O Grupo Geely foi fundado em 1986 como uma fabricante de frigoríficos, começando a sua aposta no mundo dos motores em 2002 através dos motociclos. Ganhando uma presença mais notada na indústria automóvel após 2010, quando adquiriu a Volvo aos americanos da Ford, é hoje em dia uma das marcas com maior presença no mercado chinês. Além de deter a marca sueca e também agora o fabricante britânico, outra recente aposta do Grupo Geely é a marca de luxo Lynk & Co, através da qual tem feito uma grande aposta (tal como com o fabricante de Gotemburgo) nas motorizações elétricas e introdução de novas tecnologias.

Fonte: Automotive News e Autocar