O primeiro passo para um Vaticano de emissões zero

A Opel anunciou que acaba de entregar um exemplar do seu novo veículo elétrico, o Ampera-e, ao Papa Francisco.

Já houve tempos em que transportar o Papa era um trabalho para motores de elevada cilindrada e onde a as emissões poluentes não eram sequer tidas em conta, mas é possível que no futuro as viagens do Sumo Pontífice sejam tão imaculadamente puras em termos ambientais como as vestes que enverga. Pelo menos é isso que pretende a Opel, que informou hoje ter entregue ao Papa Francisco um Ampera-e, o recentemente desvendado veículo elétrico da marca germânica. Foi o CEO da marca, Karl-Thomas Neumann, a proceder à entrega das viaturas, num evento à margem da conferência “Laudato Si’: Sustentabilidade de Comunicação e Inovação”

Com o lado mais “simples” e da recusa dos luxos a ser uma faceta bem conhecida e elogiada do Papa Francisco, como demonstrado pelas informações que indicam que optou por continuar a usar no quotidiano o Ford Focus que detinha antes da eleição para o cargo mais alto da Igreja Católica, quem sabe se o passo seguinte não será render-se à mobilidade elétrica? Afinal, já foi mesmo lançada pelo Papa uma Encíclica referente à ecologia e importância do respeito pelo planeta, pelo que a utilização de um elétrico como o Opel Ampera-e que anuncia uma autonomia superior a 500km pode ser uma boa demonstração de soluções para reduzir a poluição atmosférica. Convém recordar que este lado de preocupação com o ambiente esteve em foco na recente passagem pelo nosso país, com um BMW i8 e dois i3 a servirem de escolta ao líder da Igreja Católica na viagem a Portugal que assinalou os 100 anos das aparições de Fátima e a canonização de Francisco e Jacinta.

Recorde também aqui a reportagem Turbo sobre do carro português que transportou o Papa, um histórico e alvo UMM que teve João Paulo II a bordo quando este Sumo Pontífice visitou a Madeira.