Volkswagen pondera processar antigo Presidente

Ferdinand Piech pode ter de responder nos tribunais por acusar a direção do Grupo Volkswagen de nada fazer quando tomou conhecimento do escândalo do Dieselgate.

Após na última semana terem surgido informações que apontavam o ex-Presidente do Grupo Volkswagen, Ferdinand Piech, como testemunha num processo de fraude relacionado com o Dieselgate em que é acusado o anterior CEO Martin Winterkorn, surge mais um capítulo nesta polémica. Tudo porque o gigante da indústria automóvel pondera avançar contra este seu antigo dirigente, que é neto de Ferdinand Porsche, por este dizer que os membros da cúpula de decisão do consórcio germânico nada fizeram quando tomaram conhecimento do escândalo do motor diesel EA189. O jornal Bild am Sonntag avança que Piech abordou a questão com os restantes dirigentes de topo do consórcio, liderado na altura por Winterkorn, após ter sido informado por uma empresa de segurança israelita da existência dos defeat devices nos motores diesel. Esta situação terá ocorrido em março de 2015, seis meses antes do Dieselgate vir a público, com Piech a dizer que Winterkorn e os restantes dirigentes lhe asseguraram que tudo estava sob controlo e não tomaram qualquer medida.

Num comunicado publicado pelo gigante da indústria automóvel alemã pode ler-se que “o conselho de supervisão do Grupo Volkswagen repudia enfaticamente as declarações de Ferdinand Piech que foram reproduzidas por meios de comunicação social”. Além disso, é indicado que “a direção irá avaliar cautelosamente a possibilidade de tomar medidas contra Ferdinand Piech”, o que pode derivar num processo em tribunal contra o antigo presidente.

Nuno Fatela

Fonte: Automotive News Europe