De moto na Austrália, terra de crocodilos e camiões de 50 metros

Francisco Sande e Castro
Francisco Sande e Castro
Jornalista e Escritor

Não dormi muito bem porque o colchão, muito fino mesmo depois de cheio com ar, era incómodo, mas só acordei de vez pelas oito e meia da manhã. Desarmei a tenda, carreguei o saco na moto e parti a ver outra cascata maior que havia por perto. Tirei umas fotografias mas voltei à das pequenas lagoas onde tinha estado na tarde anterior tomar um segundo banho fabuloso. Chegaram três miúdas francesas que estavam a viajar juntas de carro e fiquei à conversa com uma delas, dentro de água, junto à pequena cascata. Pelas dez e meia da manhã decidi que era tempo de partir para o parque seguinte, a cerca de 200 Km.

As estradas são de uma via para cada lado com grandes rectas a perder de vista. Durante o dia não me cruzei com mais de meia dúzia de carros e outros tantos camiões, a que eles chamam “road trains” e que, por levarem quatro ou cinco reboques, chegam a atingir mais de 50 metros de comprimento, algo impensável na Europa onde o limite são 17.

Uns cinquenta quilómetros antes de Kakadu Park vi um sinal a indicar passeios de barco para ver crocodilos e fui até lá por uma estrada de terra de uns três ou quatro quilómetros.

Duas raparigas, uma aborígena e uma branca exploravam o negócio mas disseram-me que só me poderiam levar se aparecessem mais clientes. Acabaram por chegar três casais de jovens australianos e lá fomos rio acima num barco a motor. Foi um espetáculo extraordinário. Uma das mulheres trazia um isco de carne que colocava na ponta de uma cana e fazia os crocodilos saltarem fora de água para o tentarem apanhar, por vezes com reflexos tão rápidos que ela não tinha tempo de levantar a cana. Quando vimos um maior, de uns bons cinco metros, elas encaminharam-no para a margem com o isco para o observarmos melhor. Impressionante. Tinha uma das patas de trás cortada pela metade que disseram terá sido arrancada por outro crocodilo.

Depois daquele passeio sensacional de uma hora rio acima e em que vimos uns sete ou oito crocodilos voltei à moto e segui caminho para o parque.

Aqui as distâncias parecem curtas no mapa mas, quando cheguei ao primeiro parque de campismo, tinha percorrido mais de 300 Km desde a saída de Litchfield Park

Pelo caminho ainda almocei num dos poucos restaurantes de beira de estrada que se encontram. A maior parte do tempo roda-se durante muitas dezenas de quilómetros sem ver qualquer veículo, construção ou vivalma.

_____________________________________________________________________

*Francisco Sande e Castro está a dar a volta ao mundo de moto e M24 publica o seu diário de bordo. Acompanhe-o nesta grande aventura

ler + em Volta ao Mundo em Crosstourer