Apesar de ser uma ferramenta prática que permite que um motor possa ser usado tanto para arranques em baixa rotação, vencendo a inércia, como para acelerar a alta velocidade, aproveitando melhor as rotações elevadas. No entanto, esta peça adicional também faz com que o carro perca potência em muitos momentos, e possui muitas peças que gastam energia através da fricção. É um problema pequeno, mas o condutor pode ganhar se ele for resolvido.

Neste caso, a solução custou apenas 15 mil dólares e necessitou somente do espírito de engenhosidade de um jovem engenheiro. Este valor (equivalente a 13.400 euros, mais ou menos) foi o prémio entregue a Dan Dorsch, que criou uma nova caixa de velocidades que funciona sem embraiagem. O inventor substituiu a embraiagem por motores elétricos que eliminam a interrupção de performance natural da passagem de caixa.

O segundo motor faz a sincronização entre a velocidade da caixa e do motor. Na prática, funciona como uma dupla embraiagem, mas é ainda mais rápida e com menos perdas mecânicas, reduzindo os consumos e as emissões poluentes em trânsito citadino, ao mesmo tempo que conserva mais potência em alta velocidade.

Dorsch, que está a tirar o seu doutoramento no famoso MIT (Instituto de Tecnologia do Massachusets), começou a interessar-se por mecânica quando desmontou o seu primeiro automóvel na garagem da família, so para perceber como funcionava. Durante a sua licenciatura, fez parte da equipa que desenvolveu uma cadeira de rodas para uso em países de terceiro mundo. Desde então, também inventou o RoboClam, um robô que faz escavações debaixo de água, e um sistema de recarga por radiação ultravioleta.