O microchip mais pequeno do mundo vai revolucionar os automóveis autónomos

Os microchips são a peça mais importante na eletrónica. Com o passar dos anos, foram ficando cada vez mais pequenos, com o seu poder processual a crescer exponencialmente. E é por isso que hoje temos smartphones no bolso que são melhores computadores que aqueles “caixotes” que tínhamos em cima das mesas nos anos 90. No entanto, nos últimos anos, esta evolução tem estado estagnada, o que colocava um entrave à progressão das inteligências artificiais que vamos precisar para guiar os carros autónomos.

Mas agora a IBM encontrou a solução. A tecnologia atual permite criar microchips bastante pequenos, com transistores de 7 a 10 nm, mas já atingiu o limite de miniaturização para poder manter um circuito. O que a IBM fez foi mudar a estrutura dos transistores e reduzindo o seu tamanho para 5 nm, o que na prática deixa espaço para obter mais poder computacional, montados em cima uns dos outros. A IBM espera poder colocar 30 mi milhões de transistores numa placa do tamanho de uma unha, efetivamente ganhando 40 por cento de poder de computação com uma redução de 75 por cento nos gastos de energia.

Para um carro autónomo, isto significa que vai ser possível gerir mais informação e com maior velocidade, permitindo à inteligência artificial tomar decisões e salvaguardar a integridade física dos utilizadores do automóvel.