Rali dos Açores a um passo da permanência no Europeu

08/07/2019

Ricardo Moura e António Costa (Skoda Fabia R5) formaram a melhor dupla portuguesa na última edição do Rali dos Açores
A continuidade do Rali dos Açores no Campeonato da Europa FIA de Ralis (ERC) está bem encaminhada, pese embora o facto de ainda carecerem de concretização alguns pressupostos, nomeadamente, quanto ao rumo que clube organizador vier a seguir.

O dia 17 de julho, data em que estão marcadas as eleições no Grupo Desportivo Comercial, assume, desse modo, contornos decisivos para a concretização daquele objetivo, face a algumas condições que terão sido impostas pelo promotor do campeonato.

De acordo com o que MOTOR 24 apurou, houve um avanço significativo nas conversações com o promotor do ERC (Eurosport Events), graças a enérgico e decisivo contributo do presidente da FPAK, Ni Amorim, que se tem desdobrado em múltiplos contactos.

Aquele responsável empenhou-se a fundo nesta questão, consciente do facto de, historicamente, ser irremediável a saída de uma prova portuguesa dos campeonatos FIA, ou seja, o regresso é sempre improvável.

«Houve avanços significativos», limitou-se a confirmar o presidente da entidade federativa, ainda assim de algum modo otimista quanto ao desfecho das negociações.

Um papel decisivo em todo este processo pode vir a ter, igualmente, o Governo Regional, ciente da importância da prova enquanto cartaz promocional dos Açores e gerador de múltiplos proventos económicos.

Para François Ribeiro (Eurosport Events), «o Rali dos Açores é uma prova maravilhosa, com classificativas espetaculares e muito do agrado dos pilotos. Queremos manter os Açores no calendário do ERC, tal como o Governo Regional», referiu aquele responsável.

Todavia, sublinhou que «há algumas dificuldades a ultrapassar», sem entrar em mais pormenores.

O pagamento de verbas em atraso é, eventualmente, a fatia de maior expressão nesse lote de problemas, que poderão vir a ter solução a contento de todas as partes envolvidas no processo.

Os custos, em termos organizativos, do rali insular são vultuoso, nomeadamente devido ao afretamento de um barco com características específicas para transporte dos carros e cujo preço orça em cerca de 300 mil euros.

Acordo para três anos

Em cima da mesa está um contrato que garante a integração do rali açoriano no ERC durante os próximos três anos. Para que tal aconteça, um dos passos determinantes é o desfecho do próximo ato eleitoral.

Até ao momento, apenas uma lista se apresentou a sufrágio, embora o prazo para a formalização de candidaturas expire no próximo dia 12 de julho (sexta feira). A única lista candidata é encabeçada por Rui Moniz, antigo piloto e diretor de prova no período 2004-2006.

Em termos de calendário, o Rali dos Açores poderá, eventualmente, continuar a abrir o calendário, uma vez que há consenso neste capítulo. A época baixa em termos turísticos é um aliado da organização, pelo menor fluxo de visitantes e preço em conta da hotelaria.

Caso o objetivo não seja alcançado, há um plano B como hipotético candidato: a alternativa poderá passar pelo Rali Serras de Fafe, em versão aumentada.

Para já, segundo MOTOR 24 apurou, «estão reunidas as condições para que o rali dos Açores continue no ERC». Tudo leva a crer que só falta mesmo fechar o contrato.