A Alpine viveu uma situação insólita no Mundial de Fórmula 1, sobretudo tratando-se de uma modalidade em que todos os pilotos têm como sonho lá chegar. Tendo Fernando Alonso decidido rumar à Aston Martin para 2023, a equipa francesa não tardou a anunciar a promoção de Oscar Piastri, atual piloto de testes, ao lugar de piloto titular no próximo ano. Só que Piastri… recusou!

Quando tudo parecia mais ou menos estável, a decisão de Sebastian Vettel de terminar a sua carreira na Fórmula 1 no final deste ano foi a instigadora de uma movimentação inesperada no ‘xadrez’ de pilotos para 2023. Primeiro, Fernando Alonso anunciou a sua saída da Alpine rumo à Aston Martin para suceder a Vettel num acordo com a duração de vários anos. Depois, surpreendida pela decisão do espanhol, a Alpine foi rápida a anunciar Oscar Piastri para o lugar de Alonso.

Campeão de Fórmula 2 em 2021 e atual piloto suplente da equipa francesa, Piastri era visto como um sucessor natural no lugar de Alonso, mas depressa o piloto australiano tratou de refrear os ímpetos da Alpine, confirmando nas redes sociais que não irá pilotar por esta equipa em 2023.

“Sei que, sem o meu acordo, a Alpine F1 emitiu um comunicado de imprensa esta tarde [ontem] a indicar que vou pilotar por eles no próximo ano. Isso está errado e não assinei um contrato com a Alpine para 2023. Não vou pilotar pela Alpine no próximo ano”, escreveu nas redes sociais.

A razão para esta recusa estará em possíveis negociações entre o jovem de 21 anos e duas equipas, a McLaren e a Williams, sendo estes os dois nomes mais falados no meio para que Piastri se estreie em 2023. Resta saber como irá a Alpine também encontrar um novo piloto para emparelhar com Esteban Ocon em 2023.