Opel Insignia ST 1.6 Turbo D: Caso sério de competência

Pedro Junceiro
Pedro Junceiro
Editor Conteúdos

Sem qualquer dúvida, a Opel tem no Insignia de nova geração uma ‘arma’ de elevado calibre para guerrear no segmento Premium executivo. Um modelo de elevadíssima competência que tem no motor 1.6 turbodiesel de 136 CV um forte argumento de venda, mas que tem muitos outros atributos escondidos.

A Opel não poupou esforços na produção deste seu novo Insignia e, depois de ter ‘brilhado’ com o novo Astra (que teve em Pedro Lazarino o supervisor do projeto), repetiu a façanha com o Insignia. Aspeto ao qual se dedicou muita atenção foi à redução do peso. Face à geração anterior, a carrinha chega a perder 200 kg consoante a versão. No caso da variante ensaiada, comparativamente com igual motorização da geração anterior, a dieta é mais ténue, mas ainda assim significativa: há uma diferença de 127 kg entre uma carrinha e outra, o que faz muita diferença no aproveitamento do motor 1.6 Diesel de 136 CV e da própria possibilidade de afinação do chassis. E que chassis!

A nova carrinha tem um equilíbrio exímio entre conforto e dinâmica, o que lhe permite responder de forma decidida às ordens do condutor por intermédio de uma direção muito direta e informativa sem que perca, em momento algum, uma eficaz compostura na filtragem das irregularidades do mau piso. Graças à já mencionada agilidade, a carrinha tem ótima inserção em curva, com os dois eixos a trabalharem em conjunto para passagens em curva muito equilibradas e com algum entusiasmo, até, na condução.

A grande cura de emagrecimento a que a nova geração Insignia foi sujeita sente-se (e bem) ao volante

A sua dinâmica sai, também, muito beneficiada pelo motor 1.6 Turbo D de 136 CV que, embora transite da anterior geração, tem aqui uma eficácia elogiável que poderá muito bem representar a escolha ideal para a grande maioria dos utilizadores, sem que exista qualquer receio de que fique aquém das expectativas. Rápido na progressão desde regimes mais baixos, destaca-se mesmo pelo facto de ter uma elasticidade digna de registo, com os 320 Nm de binário máximo a surgirem às 2000 rpm, mas muito do seu vigor a aparecer muito antes, logo em redor das 1500 rpm, o que permite dessa forma aumentar facilmente o ritmo caso seja necessário. Aliás, essa é também uma das suas mais-valias. Nos casos em que seja necessário um ganho de velocidade mais premente, por exemplo, em ultrapassagem num curto espaço, o recurso à muito fácil de manusear caixa de seis velocidades é importante. Com escalonamento correto, é aliada na condução.

Se na parte das prestações, a Insignia Sports Tourer está longe de desanimar (como atestam, aliás, os 10,7 segundos da aceleração dos zero aos 100 km/h), também nos consumos surpreende pela positiva. Ora, a marca anuncia um consumo ponderado de 4,5 l/100 km e no nosso ensaio, com condução próxima da real (100 quilómetros com 45 divididos por autoestrada e nacional e os restantes 55 em cidade) a devolverem um valor de 5,6 l/100 km.

Interior mais requintado

Face ao anterior Insignia, a nova geração prima por maior simplicidade de comandos, reduzindo-os em número e complexidade de manuseamento. O grande centro operacional é agora o ecrã tátil na consola central de 8 polegadas do sistema IntelliLink Navi 900, reunindo-se aí a grande maioria das funcionalidades do veículo, embora mantendo de fora – e bem – os comandos da climatização e sistemas de assistência à condução, situados pouco à frente da alavanca da caixa de velocidades.

Ao nível dos materiais, a Opel dotou este modelo de revestimentos de elevada qualidade, notando-se um grande esforço na obtenção de um ambiente agradável para os passageiros, verificando-se também muitos revestimentos macios ao toque. Para o condutor, nota também para o sistema head-up display de elevada funcionalidade, que transmite as informações principais (adaptáveis) no para-brisas, permitindo ao condutor não tirar os olhos da estrada. Através dele, é possível ver a velocidade, as rotações do motor, a navegação ou a faixa de áudio.

Quanto a espaço, com os 4986 mm de comprimento da carrinha, os passageiros beneficiam de muita amplitude em todas as cotas, tanto para as pernas, como em altura e em largura, sendo uma boa solução para quem tem uma pequena família, até porque a bagageira tem uma capacidade verdadeiramente positiva, com os seus 560 litros (ou 1665 com o rebatimento dos bancos traseiros) e formato regular. A abertura da tampa da bagageira tem acionamento elétrico e função de abertura com o pé – bastando passá-lo sob o para-choques traseiro num local específico e que é iluminado no chão – mas nem sempre funciona na perfeição.

Em termos de equipamento, a versão Innovation assume-se como um compêndio de tecnologias úteis a preço contido. Com efeito, os 39.100€ que a Opel pede por esta carrinha de estatuto Premium adequam-se na medida certa, não só pelos seus atributos, como também pela quantidade de sistemas e funcionalidades incluídas. Exemplos disso são o sistema Opel OnStar, que permite funções de interação com um operador em tempo real, assistência online e funcionalidade de segurança suplementar em caso de acidente ou roubo, além de hotspot WiFi para ligação de diferentes aparelhos. Além disso, o sistema de câmara Opel Eye com função de alerta de proximidade para o carro da frente e deteção de peões é uma mais-valia, tendo ainda travagem de emergência automática e alerta de saída de faixa de rodagem com correção autónoma (esta última algo melhorável). No cômputo geral, um pacote muito completo e muito competente que conta apenas com dois opcionais de enorme relevo: a pintura metalizada (600€) e o Pack Innovation Plus (2000€), que junta bancos forrados a couro, head-up display, park & Go e reconhecimento de sinais de trânsito.

VEREDICTO

Mostrando uma evolução assinalável a todos os níveis, a nova geração do Opel Insignia encerra em si um cuidadoso trabalho de aprimoramento que poderá passar despercebido à primeira vista. Mas tudo no novo Insignia, desde a condução à habitabilidade, está num patamar de altíssimo nível, sobretudo porque a cura de emagrecimento a que foi sujeito dotou-o de níveis de agilidade capazes de impressionar.

Por dentro, a qualidade assinalável em todos os detalhes e o muito espaço disponível tornam esta carrinha numa das propostas cimeiras do mercdo, algo que é sublinhado ainda pelo motor turbodiesel de 1.6 litros com 136 CV de potência que é um caso sério de competência. Elástico e eficaz, responde com decisão a quase todas as exigências do condutor, sendo por isso um bom companheiro de viagem e para todas as toadas. Em suma, a Opel tem nesta carrinha um caso sério de competência geral, não descurando quase nenhum aspeto para se posicionar como força a ter em conta no segmento Premium.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.