Novo BMW X3: Qual é o teu mood?

Rui Pelejão
Rui Pelejão
Editor-Executivo

Cidade, estrada ou campo? Profissional, familiar ou aventureiro? O novo X3 adapta-se ao teu mood de condução e ao teu modo de vida. Com a versão mais potente nas mãos — M40i de 360 Cv, até é possível passar-te o bad mood

Há pouco mais de uma semana tinha-me desfeito do meu velhinho BMW X3 da primeira geração (2003) quando a marca alemã trouxe a Portugal a terceira geração do seu SAV (Sport Activity Vehicle) para a mostrar à imprensa internacional.

Dez anos na evolução automóvel são um autêntico salto quântico, tamanhas as diferenças tecnológicas e o grau de sofisticação que vai sendo impresso em cada novo lançamento.

Duas gerações e dez anos depois o novo X3 nada tem a ver com o meu velhinho companheiro de aventuras que tantas alegrias e dissabores me deu. Alegrias em road trips por estradas, caminhos, serras e planícies de Portugal, dissabores nas regulares e sempre “esfoliantes” visitas ao mecânico. A verdade é que nunca o poupei a maus caminhos e isso acaba sempre por ter um preço a pagar, que no caso da BMW é sempre alto.

Se tivesse um X3 novinho em folha com preços a partir dos 57 mil euros dificilmente o meteria em grandes trialadas. A BMW parece pensar o mesmo, pelo menos a julgar pelo percurso off-road escolhido na Serra de Sintra para demonstrar a versatilidade e capacidades TT do seu novo modelo.

Se tivesse um X3 novinho em folha com preços a partir dos 57 mil euros dificilmente o meteria em grandes trialadas

É um caminho simples e sem grandes obstáculos, bom para a minha Tia Rosário andar fora de estrada com o seu Renault 5. Como se não bastasse, somos escoltados por um alemão de walkie-talkie mandão que vai à frente num X5 e nos avisa dos pequenos obstáculos do trajeto com a aflição de quem nos está a conduzir pela selva do Bornéu num qualquer Camel Trophy. À velocidade a que segue o pelotão deste zeloso guia, mais valia fazer uma caminhada pela serra, sempre era mais rápido, divertido e ecológico.

Ainda assim, não podendo apreciar os malabarismos do X3 em fora de estrada, fiquemo-nos pelos dados técnicos que lhe autorizam essa mobilidade. Tração integral, distância ao solo de 20,4 centímetros, ângulo de ataque de 25,7º, ventral de 19,4º e de saída de 22,6º.

Depois há dois tipos de suspensão, uma independente de amortecimento variável em que o condutor pode nivelar e escolher a afinação que pretende e uma segunda que a BMW chama de “chassis desportivo”. A diferença está na maior firmeza nos amortecedores e rigidez das barras estabilizadoras. É precisamente esta que está montada na versão que escolhi para o teste — o todo-poderoso X3 M40i com 360 cavalitos de potência e 700 Nm de binário máximo, disponível entre as 1520 e as 4800 rpm.

Trata-se do topo-de-gama gasolina com a assinatura da M-Sport o que lhe dá aquele toque de Midas para ser um voraz animal de estrada. É para lá que vamos, que aqui na passeata de off-road até dá para a ornitologia e observar passarinhos.

Cidade, estrada e campo

Em estrada de montanha com bom piso o BMW X3 M40i encontra finalmente um ecossistema onde pode exprimir o seu lado selvagem e eu também.

A posição de condução tipicamente BMW em que o corpo parece um prolongamento natural e orgânico do volante e do cómodo banco desportivo, com competente apoio lateral. Não esquecer que isto é um SUV e apesar das múltiplas regulações possíveis, vamos sempre uns centímetros acima do habitual, mas nada que afete a ergonomia orientada para o condutor e para o prazer de condução, a marca de água da BMW.

Mesmo sendo um volumoso SUV, que cresceu em todos os parâmetros — altura, comprimento, largura e distância entre eixos — o X3 não sacrifica em excesso o feeling de condução. A suspensão mais desportiva e a redução de peso (55 kg) aumentam a agilidade e a capacidade de curvar bastante depressa, exigindo alguma ousadia para testar os limites de aderência e ouvir um pneu chiar do esforço.

A caixa automática de oito velocidades pode ir sempre na posição Drive porque gere com eficácia todas as solicitações de uma condução mais apimentada. Quem preferir pode ir brincando com as patilhas no volante para fazer reduções à entrada da curva.

Não sendo obviamente um desportivo e mantendo bem presente as leis da física decorrentes da sua volumetria e peso, o BMW X3 permite momentos de puro gozo de condução, sobretudo se tiver selecionado o modo Sport + no comando do Driving Experience Control.

Aqui o carro fica com os nervos à flor da pele com uma resposta mais agressiva do motor, acelerador, direção e caixa automática, limitando as ajudas automáticas à condução para deixar margem para a criatividade de quem vai ao volante.

Mas também não é para isto que o X3 foi feito, os outros modos de condução Eco, Comfort e Sport chegam para os ambientes rodoviários onde este carro será maioritariamente usado. Eco para cidade, Comfort para autoestrada e Sport para estrada de montanha ou uma pequena incursão em estradões de terra. É precisamente nesta versatilidade de utilização que um carro que não é especialista em nada ganha a sua vantagem competitiva.

Aqui o carro fica com os nervos à flor da pele com uma resposta mais agressiva do motor, acelerador, direção e caixa automática, limitando as ajudas automáticas à condução para deixar margem para a criatividade de quem vai ao volante

Isto, conjugado com um excelente nível de conforto e requinte a bordo e com o recheio tecnológico da nova geração de modelos da BMW, faz do novo X3 uma das propostas mais completas e homogéneas da sua classe.

Beleza interior

Como está maior, o espaço a bordo também aumentou já que a capacidade da bagageira se mantém nos 550 litros. A gama está para já estruturada em torno de versões de tração integral e cinco motores (dois Diesel e três a gasolina), com três níveis de equipamento (xLine, Luxury e M Sport Package).

Como habitualmente, a BMW remete para a lista de opcionais alguns equipamentos, mas de qualquer forma, é possível ter acesso a equipamentos e features herdados do Série 7, como a chave eletrónica que permite o controlo remoto de várias funções, como a climatização (para o ter quentinho logo de manhã), o comando por gestos, o ecrã touchscreen de 12 polegadas ou o sistema de condução semi-autónoma Driving Assist Plus com programador de velocidade ativo e controlo de faixa com intervenção na direção (às vezes até demais, sempre a corrigir a trajetória).

Com uma nova plataforma, um chassis mais competente a combinar conforto com eficácia em curva, motores potentes e com consumos relativamente moderados e equipamentos que há dez anos ainda nem se ouvia falar, este novo X3 nada tem a ver com meu velhinho “verdusco”. Mas é do velhinho que eu já tenho mais saudades, para andar aí a vadiar por estradas de Portugal. Esse, pelo menos metia-se sempre por maus caminhos sem um alemão de walkie-talkie na mão a dar-me ordens, que é uma coisa que me deixa sempre desconfortável.

Com o novo X3 pode sempre ir dar uma volta a Marte

Ficha técnica

BMW X3 M40i

Motor Gasolina, 6 cilindros em linha, turbo

Cilindrada 2998 cm3

Potência 360 Cv

Vel. Máx. 250 km/h

Aceleração 0-100 km/h 4,8 segundos

Consumo médio 8,4 l/100 km

Emissões CO2 193 g/km

Peso 1885 kg

Bagageira 550 l

Preço 84,700 euros

Gama em Portugal

X3 xDrive 20i Auto 57 000€

X3 xDrive 30i Auto 62 800€

X3 M40i Auto 84 700€

X3 xDrive 20d Auto 58 350€

X3 xDrive 30d Auto 77 500€

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.