Novo Kia Ceed: Conteúdo emocional

Luis Guilherme
Luis Guilherme
Jornalista

Experimentar a nova geração do Ceed e descobrir memórias escondidas no barlavento algarvio foi a minha missão para o M24, num evento internacional que escolheu a vila de Carvoeiro para este importante lançamento da Kia.

O jornalista destacado para apresentação internacional do novo Kia Ceed é um confesso admirador do Algarve, uma admiração que nem sempre é bem vista nas conversas com especialistas na escolha dos melhores destinos de férias, cá dentro e lá fora. Multidões em Agosto e mau serviço são a base de todas as críticas, mas isso não me impede de continuar a ser emocional com o Algarve. Mas também sou elitista e escolho mais vezes o barlavento algarvio, onde aconteceram algumas das melhores recordações de infância ligadas a automóveis, mais concretamente em Carvoeiro, onde Kia resolveu mostrar a toda a imprensa internacional o novo Ceed. Foi nesta terra que o meu tio Jaime me levou a passear em vários carros que me ficaram na memória, como um Lancia Beta sedan, um Alfasud Giardinetta, um Lotus Elan e um Lotus Seven, tudo isto entre o final dos anos 70.

Agora percorro as mesmas estradas, mas ao volante do novo Kia Ceed, com visita às praias de Carvoeiro e de Centeanes, esta última onde me ia afogando em tenra idade, mas ainda uma das mais bonitas do barlavento.

O meu companheiro de viagem, um Ceed de 5 portas – a versão de 3 portas foi descontinuada -, está equipado com o novo motor Diesel 1.6 CRDi com 136 cv que já utiliza a tecnologia de controlo ativo de emissões SCR (Redução Catalítica Seletiva) para reduzir as mesmas de forma significativa. É capaz de atingir os 200 km/h de velocidade máxima e de cumprir os 0-100 km/h em 10,2 segundos, na versão de caixa manual de 6 velocidades, a qual anuncia um consumo combinado de 4,3 l/100 km. Existe a possibilidade de escolher uma caixa de dupla embraiagem (DCT) de 7 relações.

A gama de motorizações está dividida entre os gasolina sobrealimentados 1.0 T-GDI e 1.4 T-GDI, com 120 cv e 140 cv, respectivamente, enquanto o 1.6 CRDi oferece dois níveis de potência: 115 cv e 136 cv.

Em termos de dimensões, o Ceed mantém o mesmo comprimento – a versão carrinha é que cresceu 95 mm – e distância entre-eixos, mas é ligeiramente mais baixo e mais largo, com uma secção dianteira mais curta do que a geração anterior, com um estilo influenciado pelo Kia Stinger, nomeadamente as nervuras no capot. Estas dimensões não impediram o Ceed de apresentar uma das maiores bagageiras da sua classe, 395 litros de capacidade, com a versão carrinha a elevar este valor para 625 litros.

Carácter dinâmico

Como disse o responsável pelo desenvolvimento de chassis do novo Ceed: “o design dá a aparência, mas a suspensão dá o carácter”, e isso é notório logo nos primeiros quilómetros. O casamento entre o conforto e a eficácia foi bem conseguido, sem esquecer o prazer de condução. Os responsáveis da marca coreano foram ainda mais longe e afirmaram que o objetivo é que um condutor experiente consiga reconhecer um Kia pelo seu comportamento dinâmico.

Baseado na plataforma K2, com uma suspensão independente às quatro rodas, novas barras estabilizadoras, novos casquilhos e um acréscimo de rigidez à torção na ordem dos 30%, o Ceed é um exemplo de eficácia em curva, mesmo naquelas estradas algarvias de asfalto claro e polido com a aderência de um sabonete. Neste tipo de piso, o controlo de tração e estabilidade acaba por intervir sempre que se adota uma condução mais viva, mas mesmo assim dá para perceber a qualidade e o equilíbrio do chassis.

Em zonas de bom alcatrão, como grande parte da N125 que me leva de Lagoa a Sagres, o Ceed não só tem um comportamento muito saudável e eficaz, como presenteia o condutor com momentos de prazer, graças ao bom feeling da direção (de assistência elétrica), do preciso comando da caixa e do correto escalonamento da mesma. Isto para não falar dos travões, potentes e fáceis de dosear no pedal.

Para os verdadeiros adeptos de condução desportiva, a Kia vai lançar, mais tarde, uma versão equipada com um motor a gasolina 1.6 turbo com 200 cv. Outro ponto importante relacionado com o prazer de condução é a comodidade e versatilidade da posição ao volante, graças às várias regulações disponíveis, que permitem um ângulo confortável das pernas, e um bom apoio para o pé esquerdo, muitas vezes negligenciado.

Bem construído, e com materiais no interior ao nível do que melhor se faz neste segmento, este Kia vem dotado de um bom nível de equipamento de série nesta versão TX ensaiada. A SX é a de acesso e vocacionada para clientes empresa, a mais completa e de tónica desportiva será a GT Line, só disponível a partir de Janeiro de 2019.

Amêijoas e lulinhas algarvias

Neste TX existe um ecrã tátil de 8’’, com Android Auto e Car Play, onde controlo a banda sonora da minha Barlavento road trip, com paragem na Praia da Rocha, para um convívio à mesa com amêijoas à bulhão pato e lulinhas fritas, no restaurante Atlântico. O arroz de corvina é para duas pessoas e eu estou sozinho, se não, nem hesitava.

A digestão é feita em ritmo promenade, a rolar em quinta, ou quarta, nas traiçoeiras curvas de piso suspeito entre o Vau e Alvor, antes de regressar à N125 em direção a Lagos. O Ceed faz notar a sua passagem, não só pelas luzes traseiras LED, mas sobretudo pelas agressivas jantes de 17’’ forradas por uns Michelin Pilot Sport. Não deixa de ser impressionante a evolução da marca e deste modelo em particular em apenas três gerações. A Kia era vista com uma marca barata, fiável, mas pouco emocional, o que agora já não é verdade. O Kia Ceed tem um design apelativo e uma experiência de condução a condizer, com a garantia de 7 anos a permanecer como um forte argumento.

Apesar de já incluir de série sistemas como o alerta de colisão frontal, manutenção da faixa de rodagem, luzes de máximos automáticas e alertas ao condutor, a Kia tem ainda na lista de opções o Pack ADAS Plus que oferece todos os sistemas de segurança (mais sensores) e de estacionamento automático. Bancos em pele aquecidos e ventilados (Pack Leather), sistema de som JBL e pacote luzes Full LED são outras tentações da lista. Quem preferir a variante carrinha, vai ter de esperar por Outubro de 2018, com um acréscimo de preço de 1200 euros em todas as versões.

Abandono o barlavento algarvio depois de um clássico pôr-do-sol no Cabo de São Vicente, com o telefonema de um amigo a dizer que não pode ir ver Muse ao Rock in Rio e se eu não queria ir. Acelerei costa vicentina acima, apanhei a nacional perto da Mimosa e cheguei a Lisboa com mais de meio depósito de gasóleo no “meu” Ceed 1.6 CRDi TX. Os Muse completaram o dia de uma viagem emocional pelo barlavento algarvio, num modelo também ele cada vez mais carregado de argumentos emocionais.

Ficha Técnica

1,0 litros / 120 cv T-GDI gasolina

Tipo 3 cilindros em linha, turbo

Cilindrada 998 cc

Potência máx. 120 cv (88 kW) às 6000 rpm

Binário máx. 172 Nm às 1500-4000 rpm

Velocidade máx. (km/h) 190

Consumo de combustível 5,6

1,4 litros / 140 cv T-GDI gasolina

Tipo 4 cilindros em linha, turbo

Cilindrada 1353 cc

Potência máx. 140 cv (103 kW) às 6000 rpm

Binário máx. 242 Nm às 1500-3200 rpm

Velocidade máx. (km/h) 210

Consumo de combustível 5,9

(combinado, l/100km)*

Diesel 1,6 litros / 115 cv

Tipo 4 cilindros em linha, turbo

Cilindrada 1598 cc

Potência máx. 115 cv às 4000 rpm

Binário máx. 280 Nm às 1500-2750 rpm

Velocidade máx. (km/h) 192

Consumo de combustível 4,0

(combinado, l/100km)*

Emissões CO2 104

(combinado, g/km)*

1,6 litros / 136 cv Diesel

Tipo 4 cilindros em linha, turbo

Cilindrada 1598 cc

Diâmetro e curso 77,0 x 85,8 mm

Relação de compressão 15,9:1

Potência máx. 136 cv (100 kW) às 4000 rpm

Binário máx. 280 Nm às 1500-3000 rpm (6MT)

320 Nm às 2000-2250 rpm (7DCT)

Velocidade máx. (km/h) 200

Consumo de combustível 4,3

(combinado, l/100km)*

Emissões CO2 111

(combinado, g/km)*

* Consumo de combustível e emissões: a autonomia é calculada utilizando WLTP, com posterior conversão dos dados para o NEDC 2.0, e difere consoante as especificações de cada veículo.

Tabela de preços:

1.0 T-GDI SX: €22 940 (18 440)

1.0 T-GDI TX: €25 440 (20 940)

1.4 T-GDI TX: €27 440 (22 940)

1.4 T-GDi 7DCT TX: €28 690 (24 190)

1.6 CDRDi 115 cv SX: €27 640 (23 140)

1.6 CRDi 136 cv TX: €30 640 (26 140)

1.6 CRDi 136 cv 7DCT TX: €32 140 (27 640)

Valores entre parênteses incluem campanha de lançamento de €4500

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.