Ensaio Skoda Superb 2.0 TDI: Ainda mais perto do topo

Reis Pinto
Reis Pinto
Jornalista

As linhas elegantes do Skoda Superb são apenas um aperitivo para o muito que a berlina da marca checa tem para oferecer: espaço a rodos, bons acabamentos, motores já comprovados do grupo Volkswagen e, em estrada, um comportamento de nível superior. Este Superb está a milhas do cinzentismo dos seus antecessores e, no nível de acabamento que experimentamos, o L&K (Laurin & Klement), que conta com o motor 2.0 TDI, de 190 cavalos e 400 Nm de binário, o equipamento é pletórico e o motor possante. Ficamos fãs.

Elogie-se primeiro o trabalho dos designers, que transformaram uma berlina de linhas sensaboronas e banais, num automóvel elegante seja qual for a perspetiva pela qual o vemos e com ar dinâmico. E tem presença em estrada, tanto pelas dimensões (4,86 metros de comprimento e 1,86 de largura) como pela sofisticada assinatura LED da dianteira.

O Superb utiliza a nova plataforma modular MQB, do Grupo Volkwagen, que permite acolher motores tranversais, com tração dianteira ou às quatro rodas (que neste concreto implica a presença de um túnel destinado à transmissão). A plataforma é utilizada em inúmeras modelos do grupo, incluindo o português T-ROC, fabricado em Pamela, possibilita a instalação de mecânicas com potências entre os 120 e os 280 cavalos.

Espaço impressionante

O interior é sóbrio, sem grandes fantasias estilísticas e tem os principais comandos bem à mão, embora o monitor tátil (de oito polegadas) esteja colocado um pouco baixo na consola central. Os materiais, de bom nível, estão muito bem montados, assegurando um futuro isento de barulhos.

Impressionante é mesmo o espaço interior, ao nível de berlinas do segmento superior, fruto de uma distância entre eixos de 2,84 metros. Todos os ocupantes vão principescamente instalados (e não é figura de estilo, pois atrás é possivel viajar com a perna cruzada, embora o o passageiro do eio possa entrar em conflito com o túnel de transmissão) e não necessitam de deixar malas em casa, pois a enorme bagageira tem a capacidade de 625 litros (bem acima da maior parte das carrinhas que por ainda andam), com a vantagem de a quinta porta facilitar o carregamento e de este “porão” poder ser ampliado com o rebatimento dos bancos traseiros.

Estão ainda disponíveis diversos espaços de arrumação, com a capacidade total de 26 litros, nmais do que suficientes para guardar tudo o que nos enche os bolsos. Há, ainda, algumas astúcias a bordo, como o sistema que permite abrir a garrafa de água com uma só mão ou os dois guarda-chuvas dissimulados nas portas.

O equipamento desta versão L&K é bastante completo. Bancos dianteiros com ajustes elétricos, aquecidos e ventilados, ar condicionado tri-zona, sistema multimédia de última geração, ajuda ao estacionamento, com câmara de visão traseira, travão de mão elétrico, cruise control adaptativo, sistema de manutenção da faixa de rodagem, avisador de ângulo morto, suspensão adaptativa possibilidade de configuração das cores da luz interior, iluminação das zona dos pés, para-brisas aquecido ou o suporte para tablet na traseira.

Em termos de segurança, o Superb oferece em todas as versões um travão de emergência projetado para evitar que o carro continue a sua marcha após um choque inicial, a travagem de emergência automática (operacional entre 5 e os 210 km/h, alerta o condutor no caso de uma colisão frontal iminente, travando parcial ou completamente se o condutor não intervier), e o City Emergency Brake (se algo se aproxima do carro ou se há o risco de bater no veículo da frente, o sistema aciona os travões).

Comportamento exemplar

Se a lista de equipamentos (e muitos mais itens haveria a acrescentar), o comportamento em estrada desta grande berlina é surpreendente. Os 190 cavalos, o bom binário, um peso contido (1505 quilos), a bem escalonada caixa de dupla embraiagem DSG, o sistema de amortecimento pilotado DCC (Controle Dinâmico do Chasis), conjugados com a possibilidade de escolher entre os modos de condução Normal, Sport, Confort, Eco e um último personalizável, permitem ter um Superb muito confortável ou terrivelmente eficaz em estradas sinuosas.

Em todas as circunstâncias o Superb demonstrou uma aderência de alto nível, não se recusando a uma condução mais empenhada.

A conduzir tranquilamnete em estradas de montanha nos arredores de Ronda (Málaga) fomos surpreendidos com médias de 4,8 litros aos 100km. Quando era preciso espevitar um pouco mais o andamento, o computador de bordo andava pelos 6,5/7 l/100km.

Em autoestrada experimentámos diversas vezes o sistema de manutenção na faixa de rodagem e, à velocidade legal em autoestrada, o Superb mantinha-se imperturbável na faixa de rodagem sem intervenção do condutor, embora a cada 30 segundos o sistema exija que se coloquem as mão no volante.

VEREDICTO

O preço deste Skoda, 47.958 euros, poderá fazer torcer o nariz a muitos. Mas este foi um dos familiares mais agradáveis de conduzir que já nos passaram pelas mãos. Mas a gama começa nos 32.742 euros da versão Ambition, com o motor 1.6 TDI, de 120 cavalos e termina nos 55.541 euros da versão a gasolina 2.0 TSI, de 280 cavalos.

Ficha Técnica

Skoda Superb 2.0 TDI Lauren & Klement

Motor: 4 cilindros em linha, long., inj. common-rail, turbo
Cilindrada: 1968 cm3
Potência: 190 CV às 3500 rpm
Binário máximo: 400 Nm às 1750 rpm
Tração: Dianteira
Caixa: Automática de dupla embraiagem de sete velocidades
Aceleração (0-100 km/h): 8 segundos
Velocidade máxima: 237 km/h
Consumo médio anunciado – Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) 3,6/4,9/4,1
Emissões de CO2: 131 g/km
Peso: 1505 kg
Bagageira: 625/1760 litros
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4861/1864/1468
Distância entre eixos (mm): 2841
Preço base (ensaiado): 30.300€ (47.958€)

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.