Ensaio Ford Fiesta 1.0 ST-Line: Diversão com peso, conta e medida

Pedro Junceiro
Pedro Junceiro
Editor Conteúdos

Portador de um nome que já atravessou quatro décadas, o Fiesta continua a ser um caso sério de sucesso para a Ford, algo que é facilmente comprovável pela quarta posição no ranking dos carros mais vendidos na Europa em 2017. Uma das chaves para esse sucesso – ainda mais visível na nova geração, com versões Active e Vignale a serem novidades absolutas – é a quantidade de variantes disponíveis que vão ao encontro de todos os desejos e de quase todas as bolsas.

Uma das versões que mais emoções pretende trazer aos entusiastas da Ford é, precisamente, aquela que conta com as letras ST, não na sua variante mais ambiciosa com um impressionante motor 1.5 EcoBoost de 200 CV, mas sim na linha de equipamento que junta alguns componentes mais desportivos e que confia numa derivação dessa mesma unidade EcoBoost, mas ‘apenas’ com 125 CV de potência.

Não se deixem enganar, no entanto. O Fiesta ST-Line tem muitos argumentos num conjunto que rende pela sua totalidade, a começar, desde logo, pela qualidade de condução que convence pela maturidade. O Fiesta tem uma qualidade no pisar que se aproxima enormemente dos modelos de segmento C, aquele povoado pelo ‘irmão’ maior Focus, sendo muito bem concebido desse ponto de vista. Se é um facto que a plataforma do novo Fiesta é a mesma do antigo, o trabalho feito pela marca norte-americana paga dividendos na sua postura em estrada.

‘Fiesta rija’

Muito bem posicionado neste capítulo, o novo Fiesta mantém, da mesma forma, uma apreciável diversão de condução em virtude de um chassis eximiamente trabalhado (com nova barra estabilizadora dianteira e novo subchassis, entre outras mudanças de grande relevo), com direção responsiva e amortecimento que, no caso premente, adota uma postura mais desportiva devido à suspensão de maior firmeza que é um dos aspetos distintivos da variante ST-Line (com altura ao solo reduzida em 10 mm).

Sendo 15% mais firme do que num dos outros Fiesta da gama, o conforto sai ligeiramente penalizado em pisos muito deteriorados, embora nunca se revele muito complicado de ‘digerir’ pelos ocupantes: sentirão uma grande parte dos desníveis e buracos do asfalto (sobretudo as oscilações verticais da carroçaria), mas nem por isso sentirão desconforto acumulado no final de uma viagem longa.

Por outro lado, com esta afinação, a reação do Fiesta torna-se ainda mais rápida. Virando o volante, o carro responde de maneira pronta, com a carroçaria a lidar muito bem com as transferências de massas em curvas ziguezagueantes mais rápidas. O facto de dispor agora de vias mais largas também ajuda, dando ao condutor muita confiança na abordagem a percursos sinuosos.

Milinho com garra

Depois, claro, o motor de apenas um litro que continua a ser um exemplo de boa engenharia por parte da Ford. Este milinho de três cilindros exibe vocação para prestações desportivas quanto baste, concedendo ao condutor muita energia para ritmos fortes fora da cidade e em estradas mais ‘retorcidas’, sobretudo porque surge em associação com uma muito fácil de manusear caixa de seis velocidades (da autoria da Getrag), com as quatro primeiras relações mais curtas para melhor se conseguir aproveitar o fôlego do bloco em baixas rotações.

É, pois, um motor com ânsia de ser puxado até faixas mais altas do conta-rotações, mesmo que essa não seja uma condição para se conseguir tirar partido de uma condução rápida e divertida, num ‘piscar de olhos’ aos GTI de outros tempos: leves, potentes e simples. As recuperações, graças ao seu binário de 170 Nm logo às 1400 rpm, estão em muito bom nível, provando que este é mesmo um bloco polivalente na sua utilização. Tudo numa fórmula que, uma vez mais, a Ford aplica bem a este Fiesta em variante ST-Line. O ruído do motor está muito bem contido, apenas se notando que é tricilíndrico no arranque a frio. Depois, destaque ainda para o excelente trabalho de insonorização a bordo, eliminando bem os barulhos de rolamento e da aerodinâmica.

Quanto aos consumos, médias na casa dos seis litros são bem mais comuns, terminando o nosso ensaio com um valor de 6,3 l/100 km, portanto longe dos 4,3 l/100 km anunciados (valor para o modelo com jantes de 17″, embora o ensaiado tivesse jantes de 18, logo mais consumo). Ainda assim, aceitável atendendo à sua utilização. Para baixar este valor conta com um muito competente botão ECO, que reduz a resposta do pedal do acelerador, e com eficiente sistema start-stop.

Interior melhorado

Também o interior foi completamente renovado, deixando de parte a confusa organização da consola central do Fiesta anterior. Assim, este novo modelo envereda pela tendência da simplificação com uma grande parte dos comandos agrupados no ecrã tátil central (de 6.5 polegadas de série ou de 8 polegadas no caso de se optar pelo Pack Navegação Premium com sistema de navegação e conjunto áudio Bang & Olufsen Play por 966€). Ainda assim, evitando excesso de simplificação, o novo Fiesta deixa alguns comandos no modo físico – felizmente – como os da climatização. A utilização do ecrã tátil não merece reparos de maior.

Em termos de construção, a Ford merece nota muito alta pela construção muito sólida entre painéis e pela oferta de materiais suaves na zona superior, alternando com plásticos mais rijos na parte inferior do habitáculo. No caso da versão ST-Line, destaque ainda para alguns elementos específicos, como o volante desportivo com base plana ou para os bancos desportivos que oferecem bom apoio lateral em curva.

No que diz respeito ao espaço para os passageiros, os progressos foram mais ténues, embora seja de enaltecer que o novo Fiesta acolhe com relativa facilidade dois adultos no banco traseiro, desde que não excedam uma altura de 1,85 m. Em suma, situa-se naquilo que é a média do segmento dos utilitários, o mesmo se podendo dizer da bagageira, que permite acolher um total de 303 litros no modelo de cinco portas, o que representa um ganho de 13 litros face ao Fiesta anterior.

Estilo desportivo

Sem mudar em demasia – o Fiesta é facilmente reconhecível como um Ford -, a marca dotou esta nova geração de maior elegância, sendo que no caso do ST-Line a tónica está na desportividade. Além da suspensão rebaixada em 10 mm, conta com jantes de 17″ específicas (de 18″ no caso da versão ensaiada), saias laterais, saída de escape de maiores dimensões, pequeno difusor traseiro e recurso à pele como material de revestimento para a alavanca das mudanças, volante e travão de mão. Os pedais desportivos em alumínio e os bancos dianteiros em estilo desportivo com apoio lombar ajustável também fazem parte do leque de equipamento de série ST-Line.

Outros componentes estão votados à lista de opcionais, como são os casos do spoiler traseiro (152€), dos vidros elétricos atrás (127€), do conjunto composto pelas jantes de liga leve 18″ e vidros escurecidos (712€), luzes diurnas LED (305€), sistema de chave inteligente (152€) ou o muito importante Pack Tech 3, que aumenta o número de sistemas de segurança, com Controlo automático de velocidade adaptativo ACC, Assistência à pré-colisão com alerta de distância, Sistema de deteção de ângulo morto (BLIS) e Alerta de Tráfego Cruzado por 737€.

O Fiesta 1.0 EcoBoost 125 CV ST-Line tem um custo de base de 19.612€, sem os já referidos opcionais, sendo já um valor bastante apelativo. Mas melhora… Graças às campanhas da Ford, fica a um preço muito mais convidativo. Ora, nas campanhas disponíveis para as mais equipadas linhas Titanium /ST-Line a Ford disponibiliza então um desconto no valor de 1600 euros, a que acresce ainda a oferta de equipamento à escolha do cliente da lista de opções de fábrica no valor de 800 euros. Mais ainda: graças à campanha de apoio à retoma, há mais um desconto de 1200 euros, sendo que, caso o cliente opte pelo Financiamento Ford Crédito, soma-se ainda um desconto de 1550 euros. Contas feitas, e descontando a oferta de equipamento dos tais 800 euros, o Fiesta ST-Line pode ficar por 15.262€. Preço de arromba…

VEREDICTO

A Ford mostra que não perde o jeito e a um Fiesta de sucesso, segue-se… outro. Reaproveitando os conceitos que deram bom resultado no modelo anterior, este novo modelo está muito mais adulto na forma de conduzir, aproximando-se ferozmente daquilo que se pode esperar de um modelo de segmento C, sem que a sua típica eficácia de condução seja menosprezada. Aliás, quanto muito, nesta variante ST-Line, que junta ‘bocados e pedaços’ de maior desportividade, o Fiesta ganha um apelo de condução muito maior, adequando-se a quem procura um pouco mais de emoção no quotidiano sem ter de sacrificar a facilidade de utilização e a economia. Certo: o conforto é algo penalizado pelo amortecimento mais firme, mas nem se lhe pode atribuir défices nessa área, na medida em que não cansativo. Além de que, quem quer algo com a sigla ST sabe ao que vai. Quem pretender outras vertentes mais confortáveis, além de poder olhar para dentro da própria gama Fiesta, outras opções como o Citroën C3 podem ser preferíveis.

Nota muito boa, ainda, para o motor 1.0 EcoBoost, que mantém a sua bem conhecida (e elogiada) competência de funcionamento nas prestações e uma elasticidade que é de louvar sem que seja preciso ‘esticá-lo’ constantemente. É, quiçá, nesse equilíbrio de carácter que reside uma das grandes mais-valias do Fiesta em roupagem ST-Line, num desportivo com peso, conta e medida. Falta referir o preço que, como já se percebeu, é critério que pode ser de ‘arromba’. A ‘fiesta’ segue rija…

FICHA TÉCNICA

Ford Fiesta 1.0 EcoBoost 125 CV ST-Line 5p

Motor: Gasolina, três cilindros em linha, injeção direta, turbo, intercooler
Cilindrada: 999 cm3
Potência: 125 CV às 6000 rpm
Binário máximo: 170 Nm às 1400-4500 rpm
Suspensão Dianteira: Multibraços, independente McPherson, barra estabilizadora
Suspensão Traseira: Barra de torsão
Tração: Dianteira
Caixa: Manual, seis velocidades
Aceleração (0-100 km/h): 9,9 segundos
Velocidade máxima: 195 km/h
Consumo médio (medido) em l/100 km: 4,3 (6,3)
Emissões de CO2: 98 g/km
Peso: 1164 kg
Bagageira: 303-984 litros
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4065/1735/1466
Distância entre eixos (mm): 2493
Preço base (ensaiado): 19.612€ ou 14.462€ com descontos (23.906€ ou 18.756€ com descontos)

OPCIONAIS

Pintura sólida “Frozen White” 203€
Tejadilho em Preto 254€
Spoiler traseiro 152€
Vidros elétricos atrás 127€
Jantes de liga leve 18″ ST-Line + Vidros escurecidos 712€
Proteção das Portas 127€
Luzes diurnas LED 305€
Sistema de chave inteligente 152€
Pack Tech 3: Controlo automático de velocidade adaptativo ACC + Assistência à pré-colisão com alerta de distância + Sistema de deteção de ângulo morto (BLIS) + Alerta de Tráfego Cruzado 737€
Pack Navegação Premium [EATC + ecrã 8″ + Navegação + B&O Play] 966€
Pack Visibilidade [limpa para-brisas automático e retrovisor interior eletrocromático] 102€
Pack Driver [Sistema auxiliar de estacionamento atrás (inclui retrovisores exteriores aquecidos e rebatíveis) + câmara de visão traseira] 457€

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.