Porsche vai manter o volante nos seus carros enquanto for possível

Pedro Junceiro
Pedro Junceiro
Editor Conteúdos

Os carros autónomos podem estar quase aí, mas a Porsche já deu a garantia de que não pretende abandonar o tradicional volante para que os aficionados da condução possam desfrutar dos modelos da casa alemã. Pelo menos, enquanto não for obrigada a tal…

A garantia foi dada por um dos membros da Administração, Lutz Meschke, que é atualmente o vice-presidente do Conselho Executivo da Porsche e membro do conselho de Finanças e de Tecnologia da marca, admitindo que as pessoas “ainda vão querer conduzir um Porsche por si mesmas no futuro”

Em entrevista publicada no site da Porsche, Meschke deixou claro que existe interesse por parte da companhia nas tecnologias de condução autónoma, sobretudo naqueles que podem tornar a vida quotidiana mais simples, “como o assistente de engarrafamentos ou o estacionamento autónomo, por exemplo”, acrescentando que noções como a condução autónoma na hora de ponta pode ser útil para aliviar o condutor do stress do para-arranca da cidade.

“Nos engarrafamentos e no estacionamento, estas tecnologias autónomas vão ser verdadeiramente essenciais”, considerou.

Contudo, uma das noções de automatismo na condução que está a ser investigada pela Porsche é a de aliar esses sistemas para aprimorar a condução em circuito. Meschke chama-a de “função Mark Webber”, em honra do ex-piloto de Fórmula 1 e também da Porsche no Mundial de Endurance (WEC).

“Com esta função, o veículo pode conduzir de forma autónoma numa pista como o Nürburgring, tal como o Webber faria. O carro traça as trajetórias ideais e demonstra os pontos de travagem perfeitos nas curvas, onde fazer passagens de caixa e onde acelerar”, afirmou o responsável da marca alemã, sendo que depois o condutor “assume a direção e deixa o carro mostrar-lhe a linha ideal, assim treinando e melhorando as suas capacidades enquanto condutor através do feedback direto do carro. Isto já é tecnicamente possível hoje”, explicou, deixando em aberto que cada pista tenha um piloto ‘guia’ diferente, como por exemplo, Walter Röhrl.

Meschke mencionou ainda que a “condução autónoma e a Porsche vão muito bem juntas – interpretamos essa tecnologia de uma forma que é típica da Porsche e que combina o que significa ser Porsche com as oportunidades oferecidas pelas novas tecnologias”.

Quanto ao caminho imediato a seguir, Meschke considera que “existem diferentes etapas no caminho para a condução autónoma. Dependendo dos modelos, vamos oferecer mais ou menos funções. Relativamente a tópicos como a condução autónoma ou conectividade, temos de ter apresentar soluções que se adequem perfeitamente às exigências dos nossos clientes”.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.