Primeiro da nova linhagem: DS 7 Crossback chega com preços a partir dos 41.608€

Pedro Junceiro
Pedro Junceiro
Editor Conteúdos

O DS 7 Crossback, modelo que dá o ‘tiro de partida’ para a estratégia de implementação da nova marca de luxo do Grupo PSA, já pode ser encomendado em Portugal, com os preços para este crossover a iniciarem-se nos 41.608€ para a versão BlueHDi 130 Manual Be Chic.

A chegada a Portugal do novo DS 7 Crossback coincide com a abertura das primeiras DS Store de Lisboa e Porto, e do DS Salon de Braga. Depois da versão de lançamento La Première, que teve bastante sucesso e que tinha método de encomenda puramente online, apresentam-se agora aos clientes nacionais 14 versões complementares, divididas por quatro níveis de equipamento – Be Chic, Performance Line, So Chic e Grand Chic –, podendo ser equipado com diferentes conjugações de motores e caixas de velocidades, do bloco a gasolina 1.6 PureTech, de 180 ou 225 CV, ao 2.0 BlueHDi de 180 CV, ambos com S&S e associados à também inédita caixa automática de oito velocidades EAT8, num conjunto complementado com o motor Diesel 1.5 BlueHDi 130 S&S, dotado da caixa de 6 velocidades manual CVM6.

Este é apenas o primeiro de uma gama de seis novos modelos que serão lançados ao longo dos próximos anos, inseridos numa estratégia concreta de expansão e implementação da DS para batalhar ‘olhos nos olhos’ com as suas rivais do segmento Premium. A marca do Grupo PSA pretende ser vista como um exemplo de “refinamento e de tecnologia”, conforme nos foi dito na apresentação do DS 7 Crossback, o qual inaugura uma nova etapa na vida desta ainda jovem companhia (enquanto independente, entenda-se).

Em termos de conforto e requinte, a DS Automobiles procura diferenciar-se das demais marcas, recorrendo ao tradicional ‘savoir-faire’ gaulês. Por exemplo, nos modelos mais equipados, a função de massagem foi renovada no plano técnico, passando a integrar bolsas de ar programáveis, de intensidade variável. É ainda importante salientar que o DS 7 Crossback integra, de série, encostos traseiros reclináveis eletricamente, para tornar as viagens mais relaxantes.

Com a DS Automobiles, o Grupo PSA ingressa num segmento concorrido, mas confiante na sua aposta em dois pilares: por um lado, o requinte sustentado pela criatividade e pela nobreza dos materiais e, por outro, o carácter tecnológico. Eric Apode, o responsável máximo por esta nova marca, aponta que a escolha por um SUV como primeiro modelo da nova geração foi… óbvia.

“Em todos os países consumidores de automóveis Premium são os SUV do segmento C que apresentam o maior potencial em termos de volume e de rentabilidade”, refere. “O facto de o DS 7 Crossback ser o nosso primeiro modelo é,assim, uma questão de lógica”.

Gama de motores

Orientando-se para uma vertente de eficácia, a DS terá uma gama que será pautada por uma nova geração de motores, sendo que em janeiro surgirá no lançamento nacional com duas escolhas, uma Diesel na forma do 1.5 BlueHDi de 130 CV com caixa manual de seis velocidades e uma a gasolina na forma do 1.6 PureTech de 180 CV, este já associado à nova caixa automática de oito velocidades (EAT8), que mostra maior efiácia e elevada suavidade no seu funcionamento.

Mais tarde, em março, será a vez da chegada do 1.6 PureTech a gasolina de 225 CV, uma unidade de nova geração que promete aliar rapidez com eficácia, sendo também o primeiro motor alimentado por este tipo de combustível a dispor de um filtro de partiículas. Surgirá associado a uma caixa automática de oito velocidades EAT8. Em junho será a vez de o motor 2.0 BlueHDi de 180 CV chegar ao mercado português, também ele associado a caixa EAT8.

Novidade absoluta com chegada prevista apenas para meados de 2019 é a versão Plug-in híbrida E-Tense 4×4, que une um motor a gasolina de 1.6 litros com 200 CV de potência a dois motores elétricos de 80 kW cada (um no eixo dianteiro e outro no traseiro) para uma potência combinada de 300 CV. Neste momento, a marca continua a desenvolver o sistema e se já nos foi permitida uma primeira abordagem ao E-Tense 4×4, fica a sensação de que o primeiro esforço é bom, mas há ainda trabalho pela frente, pelo que até 2019 muito deverá evoluir. Sem dados oficiais para já, a DS espera um valor de aceleração dos 0 aos 100 km/h mais diminuto e uma velocidade máxima acima dos 220 km/h.

Além disso, pode oferecer uma autonomia máxima de 50 km em modo “emissões zero” (ciclo WLTP), enquanto o processo de homologação lhe permite exibir emissões de CO2 contidas em 40 g/km em ciclo combinado (e média combinada de apenas 1,8 l/100 km. Com um carregador de 3.3 kW e uma tomada de 16A, o E-Tense 4X4 necessitará de pouco mais de 4 horas para um carregamento total, ou apenas 1 hora e 40 minutos com um carregador de 6.6 kW e uma tomada de 32A (que prevê uma instalação elétrica própria).

Em modo EV, totalmente elétrico e com tração às rodas traseiras, o modelo pode acelerar até pelo menos aos 130 km/h sem produzir quaisquer emissões poluentes. Quando as baterias esgotam toda a energia para uma movimentação em modo “emissões zero”, entra em ação o modo Híbrido, que aciona a tração às rodas dianteiras, rolando com ambos os motores térmicos e elétricos (frontal), ou tração integral, graças à contribuição adicional de energia fornecida pelo motor montado sobre o eixo traseiro, se necessário, no caso de carga excessiva ou se as condições de aderência assim o exigirem. O condutor pode decidir-se por uma condução permanente, selecionando o modo 4×4.

É igualmente importante observar que todos os futuros modelos da DS irão também contemplar nas suas gamas uma proposta híbrida recarregável ou 100% elétrica, e que, em 2025, estas motorizações irão representar mais de um terço das vendas deste construtor francês.

Equipamento recheado

Em termos de equipamento, destaque para a vertente da segurança, uma vez que o novo DS 7 Crossback dispõe de dispositivos de conforto e de segurança como ABS, amplificador da travagem de emergência (incluindo sistema de travagem automática) com repartidor eletrónico, ESP, assistência ao arranque em subidas, sensor de pressão dos pneus, alerta da atenção do condutor e alerta de saída involuntária de faixa de rodagem, além de de cruise control e de sistema de reconhecimento dos painéis de velocidade.

Existem quatro patamares de equipamento: entre o Be Chic de entrada (inspiração DS Bastille), Performance Line (com uma conotação e elementos de personalização mais desportivos e inspiração DS Performance Line), So Chic (com mais conteúdos de segurança, ajudas de condução e conforto, partilhando a Inspiração DS Bastille) e, por fim, Grand Chic (assente na inspiração DS Rivoli).

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.