Alguns observadores e analistas da indústria automóvel estão confiantes que a passagem para automóveis elétricos no mundo industrializado vai ser feita em menos de 10 anos. Mas os aviões elétricos ainda estão muito longe de se tornarem uma realidade prática. Mesmo assim, a Noruega quer que todos os seus voos domésticos sejam elétricos até 2040.

Este país da Escandinávia está a liderar a eletrificação do automóvel, com metade dos carros vendidos o ano passado a moverem-se com baterias (elétricos ou híbridos), e o próximo passo é fazer o mesmo com aviões. A Avinor, empresa pública responsável pela gestão dos aeroportos da Noruega, quer abrir um concurso público para testar uma rota num avião elétrico com 19 lugares, a partir de 2025. De acordo com o seu presidente, Dag Falk-Petersen, isto vai permitir à Noruega tornar-se o primeiro país a converter a sua frota aérea para motores elétricos.

Para Falk-Petersen, “é possível fazer todos os voos até uma hora e meia apenas com energia elétrica. Isso seria suficiente para todos os voos domésticos e para as outras capitais da Escandinávia”. O seu otimismo permite-lhe acrescentar que poderá reduzir os custos operacionais, cortar para metade a poluição sonora causada pela aviação e acabar com a contribuição de 2,4 por cento dos transportes aéreos para as emissões poluentes da Noruega.